RESENHA: Chamada de Emergência (2013)

by - janeiro 14, 2016


Sinopse: Jordan (Halle Berry) é atendente do sistema de emergência da polícia americana. Determinado dia, atende uma ligação de uma jovem assustada com o fato de que existe um homem tentando invadir sua casa. O caso acaba com o pior final possível e Jordan fica traumatizada. Anos mais tarde, ela se vê diante do mesmo criminoso, que agora ameaça outra garota, Casey. (Abigail Breslin).

Título Original: The Call
Gênero: Suspense
Lançamento: 2013, Estados Unidos

Esses dias estive caçando na Netflix algum filme legal para assistir com o boy magia, fui nos melhores qualificados da sessão "Empolgantes" e dei de cara com Chamada de Emergência em uma das primeiras posições. Confesso que a sinopse não me chamou muito a atenção e comecei a assistir sem expectativa alguma, mas não demorei a mudar de ideia.

Durante todo o nervosismo vivido pela atendente Jordan, tudo o que eu conseguir pensar foi "putz, deve ser difícil para caramba trabalhar nos serviços do 911". Imagina que barra que deve ser ficar sabendo que a pessoa em que você ajudava foi assassinada por um erro seu? Chamadas como essa devem ser o pesadelo de qualquer funcionário, mas nossa protagonista teve a sorte de atender duas vítimas do mesmo criminoso.


Aí começa o clichê, mas nem por isso deixa de ser bom. Ela tem que se livrar de um trauma do pior jeito possível, lidando com aquele assunto mais uma vez, se esforçando como nunca antes. Qualquer erro pode ser fatal, e Jordan quer evitar isso a qualquer custo. Pra piorar a situação e aumentar um pouco a baboseira, a vítima Casey portava apenas um celular descartável, daqueles que não possuem rastreador.

Se não fosse por isso, entretanto, o filme perderia totalmente a adrenalina da perseguição, da busca quase impossível de encontrá-la. Mas olha que a policia americana ficou com pose de inútil nesse filme. A dificuldade que tiveram com o caso e o pouco esforço que levaram para um assunto tão sério como sequestro de menor foi um negativo na trama.

Estavam sempre atrasados e não conseguiam encontrar coisas simples - o carro em que ela estava era o único vermelho na rodovia, não tinha nem como passar despercebido, mas conseguiram não notá-lo. Como se não bastasse, nossa atendente de 911 mostrou-se mais capaz e decidida a encontrar a vítima, indo fazer isso por conta própria e durante a escuridão noturna. A senhora é destruidora mesmo, Jordan.

Olhem a cara de rainha dessa mulher.

AVISO DE SPOILER
CASO NÃO QUEIRA RECEBER, PULE DOIS PARÁGRAFOS

Enquanto isso, nosso criminoso da vez é um psicopata que tem uma tara estranhíssima por sua falecida irmã. Ambas suas vítimas foram adolescentes loiras, parecidas com ela. Já deu pra sacar o que pode acontecer, né? Além disso, outras pessoas que se meteram em seu caminho também foram assassinadas.

Ele matou a primeira garota apenas para ficar cheirando o cabelo dela, ahn? Agora que "o cheiro acabou" ele foi atrás de uma nova vítima, sequestrou Casey e levou-a para um esconderijo no quintal da casa em que estava reformando, matou dois caras no caminho, tudo para manter um fetiche doentio. Chega a ser absurdo. O nojo que senti deste homem durante o filme é indescritível. 

FIM DO SPOILER
PODE CONTINUAR A SUA LEITURA NORMALMENTE

Também, acho digno confessar de uma vez por todas a mosca ferida que eu sou com filmes de suspense. Apesar de ser um de meus gêneros preferidos, eu fico toda aflita durante a história toda. Qualquer cena com luz baixa já é motivo para eu ajeitar a postura e respirar fundo, me preparando para algum susto ou coisa do tipo. The Call não ficou nada a trás em me deixar assim.

Previsível em algumas partes, surpreendentes em outra. Com certeza é de um clichê imenso, mas a partir do início do segundo caso e graças a todo o desespero de Casey e a dedicação de Jordan, você se prende ao filme até o seu fim - ou pelo menos uns cinco minutos antes dele, sério, que cena final horrível foi aquela? Saiu completamente do esperado, mas negativamente. Pelo menos teve aquela fala pra dar um ar de "menos mal".

O que não gostei foi que muita coisa ficou vaga, gostaria de mais algumas informações sobre o destino do malucão. Enfim, não dava para o filme ser perfeito, né? Mas que eu mordi a língua ao achar que seria ruim, mordi com força. Finalizo então com nota 8,5 e recomendo para quem está afim de ver algo que não foge tanto do rotineiro em suspenses, porém um basicão de alto nível.

Essa é "aquela fala".

Veja também:

0 comentários