RESENHA: Deadpool

by - fevereiro 21, 2016


O anti-herói do universo Marvel conquistou o público em 2015 por sua personalidade e o marketing enlouquecido para o filme. Interpretado por Ryan Reynolds, Wade Wilson estava a beira da morte em um câncer terminal, desesperado pela cura, aceitou a estranha proposta de tornar-se um super-herói e foi submetido a experimentos absurdos. Tornou-se então o tagarela Deadpool, mas sua aparência foi completamente arruinada e agora busca por vingança contra quem o deixou assim. 

Título Original: Deadpool
Direção: Tim Miller
Gênero: Ação, Aventura, Comédia
Lançamento: 2016, Estados Unidos


Divertido desde os créditos iniciais até os finais, uma coisa que este homem nunca perdeu foi o seu senso de humor. Deadpool está repleto de piadas ofensivas e referências, além de que ele tem a consciência de que está sendo assistindo (quebrando a conhecida "quarta parede" dos cinemas), interagindo com o público e conversando conosco ao longo do filme. 

Em comparação aos quadrinhos, as adaptações cinematográficas da Marvel Studios são mais suaves, para uma classificação indicativa que possa atingir os fãs de todas as idades. Deadpool, com todo o seu nudismo, violência e vocabulário baixo, obviamente não seria um filme aceito por aquela que visa a bilheteria livre. Graças a 20th Century Fox, essa comédia anti-heroica chegou até nós.


A brincadeira com ele vai longe, zoa os X-Men e outros personagens da Marvel, até mesmo da concorrente DC Comics, como o Lanterna Verde (atuado por Ryan em 2011 e muito criticado) e citações a Batman e Robin. Sem contar também as referências de Star Wars, O Senhor dos Anéis e muitos outros, além do clássico da sessão da tarde Curtindo a Vida Adoidado que foi claro aos créditos finais.

A trilha sonora, em certos pontos exagerada, combinou perfeitamente com a maluquice do cara que veste vermelho para que não o vejam sangrar. Repleto de raps engraçados e do épico Whaam!, a musicabilidade do filme foi bem aceita, conseguindo tirar ainda mais risadas de todos que estavam no cinema.


No Brasil, os fãs ficaram preocupados com as constantes mudanças na classificação indicativa, ninguém queria que o filme fosse permitido para menores de 18 anos, mas ao que parecia, seria censura 14. Com o anúncio oficial de 16 anos, a calma reinou um pouco, por mais que nas salas de cinemas a presença de crianças com seus pais foi em massa.

Devo dizer também que a dublagem ficou muito boa! Por ter assinto pela primeira vez legendado, acabei estranhando os primeiros minutos com a voz em português, mas a adaptação tanto dos xingamentos como das piadas foi ótima. Ainda assim não posso negar que achei um tanto mais engraçado em inglês, mas a tradução não faz o filme parecer ruim.


Sendo lançado no Dia de São Valentim, correspondente americano do nosso Dia dos Namorados, um trailer romântico foi liberado visando chamar a atenção do público feminino para o filme. Reynolds disse em uma entrevista recente que não via necessidade nisso, pois as mulheres também são fãs de filmes de herói. Arrasou, Ryan! 

Apesar de tanta qualidade, o orçamento para o filme foi bem baixo comparados aos do mesmo estilo, cerca de 58 milhões de dólares. Não se esperava tanto desse filme, mas com o lançamento das primeiras imagens de Deadpool e as respostas positivas ao redor do mundo, começaram a investir no marketing. Sem dúvidas, tornou-se um viral na internet e provou que seria um filme excelente e fiel às HQs. 


Mesmo com muitas coisas cortadas do roteiro o resultado foi agradável para quem assistiu. Vale ressaltar também que, apenas no primeiro final de semana de estreia nos Estados Unidos, o filme já arrecadou um valor de 135 milhões de dólares, deixando muitos grandes títulos recentes comendo poeira. O sucesso foi tanto que um fã canadense (lembrando que o filme foi filmado no Canadá, assim como o mercenário e o ator Ryan Reynolds são canadenses) até mesmo pediu para que o uma estátua seja construída em homenagem ao Deadpool na cidade de Regina, conhecida por sua diversão, e tem o apoio de mais de 2 mil pessoas!

Os estúdios responsáveis ofereceram um orçamento quase três vezes superior para a continuação, mas o mesmo foi recusado. "Não queremos US$ 150 milhões para fazer o próximo filme, isso não é Deadpool. Ele não coloca cidades no ar nem luta com alienígenas que chegam do espaço, isso somente não é ele. Então estamos felizes nesse pequeno orçamento que nos deram, não queremos estourar isso no próximo”, afirmou o produtor Reese.


Algumas curiosidades, retiradas do site Cinema 10:
  • O anti-herói pertence ao universo dos X-Men e chega a ter um poder de regeneração maior que o de Wolverine.
  • O ator Ryan Reynolds interpretou Wade Willson no filme X-Men Origens: Wolverine, em 2009.
  • A produção levou mais de cinco anos para sair do papel.
  • Este é o primeiro longa-metragem dirigido por Tim Miller, no entanto, o cineasta já trabalhou como técnico de efeitos especiais de X-Men 2 (2003) e O Lobisomem (2010).
  • Em uma brincadeira de 1º de abril, Ryan Reynolds afirmou o filme teria classificação indicativa para maiores de 13 anos. Mas logo em seguida, o ator voltou atrás, revelou a brincadeira e confirmou que Deadpool poderá ser visto apenas por maiores de 18 anos, nos Estados Unidos.
  • Ryan Reynolds fez um teste em vídeo, que acabou vazando. As cenas foram realizadas por meio de captura de movimento.
  • A atriz  brasileira Morena Baccarin está no filme. Conhecida por ter atuado em séries como Gotham, The Mentalist e Homeland, Baccarin viverá Vanessa Carlysle em Deadpool, uma mutante super heroína conhecida como Copycat, que é apaixonada pelo protagonista e tem o poder de mudar de aparência.
  • O personagem Deadpool foi criado por Rob Liefeld e Fabian Nicieza, no ano de 1991. Ele apareceu pela primeira vez na revista em quadrinhos Novos Mutantes nº 98, como vilão.
  • As filmagens foram realizadas no Canadá.
  • Deadpool foi banido na China por causa das cenas de violência, palavrões e nudez.

#peideiesai

Veja também:

4 comentários

  1. Adoreiii teu post sobre Deadpool!!! <3
    Convido você a dar uma passadinha no meu blog, aceito criticas numa boa, sou nova nesse ramo e toda ajuda é gratificante. Bjos http://tonaduvidablog.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiie, obrigada! Fico feliz que tenha gostado!
      Darei uma passadinha por lá sim. Boa sorte em seu começo! <3

      Excluir
  2. Aaaah, esse filme é (quase) 10! Minha amiga ficou apaixonada pelo personagem e passou uns 3 meses num fangirling constante até estrear e a gente conseguir assistir.
    Achei fantástico o posicionamento do Ryan com relação a parte romântica, porque, convenhamos, se era pra se emocionar com alguma coisa no filme, a meu ver, era a trajetória trágica dele até se tornar Deadpool.
    No mais a única coisa que me incomodou foram os efeitos extremamente "melecados" de cada morte. Mas isso é bem do gosto de cada um, acho que ninguém no cinema além de mim se importou. Coisas de quem tem mente pró-seres vivos haha.

    Super resenha fácil de ler e acompanhar, muito boa! (:
    (Sem falar que abordou até a polêmica da faixa etária e tal, bem completinha)


    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, tudo bom? Obrigada pelo seu comentário!

      O Ryan é um amor, estou muito apaixonada por esse ator, ele realmente conseguiu viver bem seu personagem e está agradando a todos os fãs (e novos fãs) de Deadpool e HQs em geral.
      Já assisti ao filme três vezes e continuo encantada, realmente, estaria mentido se dissesse que me incomodei com o nível de sangue do filme, esses efeitos acabaram não me desmotivando tanto por ser mais uma comédia mesmo, além dele ter um alto poder de regeneração. Tudo tranquilo para mim!

      Fico feliz que tenha gostado dessa resenha, seu comentário me alegrou bastante!

      Beijos e espero vê-la novamente por aqui!

      Excluir