Coreia do Norte proíbe beber, cantar, dançar e outras formas de diversão

by - novembro 23, 2017


O líder norte-coreano Kim Jong Un mantém seus cidadãos em uma coleira apertada. De acordo com novo relatório de desertores, o líder reduziu ainda mais a liberdade dos norte-coreanos, proibindo-os de beber e cantar.

Os cidadãos estão proibidos de participar de "reuniões relacionadas a beber, cantar e outras formas de entretenimentos", informou a Agência de Notícias Yonhap nesta segunda-feira. O regime norte-coreano também está "fortalecendo o controle de informações externas".

A proibição é um esforço para sufocar "um possível impacto negativo" das sanções contra a Coréia do Norte em resposta aos seus recentes testes nucleares. O estado  também tomou medidas contra seus militares, "fazendo uma inspeção do politburo militar" devido a uma "atitude impura em relação à liderança do partido", de acordo com a Reuters.

Os altos oficiais militares - incluindo o chefe do gabinete, Hwang Pyong e o vice-chefe Kim Won Hong foram punidos como resultado da investigação, mas não está claro como eles foram disciplinados.

A investigação, a primeira em 20 anos, foi completada por Choe Ryong Hae, que liderou o Bureau Político Geral do Exército Popular Coreano antes de ser promovido em outubro para a Comissão Militar Central do regime.

O presidente Donald Trump anunciou na segunda-feira os planos de designar a Coréia do Norte como "patrocinador estadual do terrorismo" pela primeira vez desde 2008, em meio a relatórios de que Pyongyang pode lançar uma "série de mísseis balísticos" antes do final do ano para impedir os EUA e outros países de tentar fechar seus programas nucleares e de mísseis. O último lançamento de mísseis da Coréia do Norte foi em setembro, enviando um ICBM ao Japão.


O soldado norte-americano não identificado que desertou no início de novembro prova, ainda, terríveis condições humanitárias na Coreia do Norte, principalmente quanto a alimentação. Após ser baleado pelo menos cinco vezes, foi levado a um hospital e ajudado por soldados sul-coreanos. A equipe médica por trás de sua recuperação encontrou parasitas gigantes em seus intestinos, incluindo um de 27 centímetros.

É um fato bem conhecido que a Coréia do Norte, que gasta 22% do seu PIB em suas forças armadas, sofre de uma escassez de alimentos em todo o país. De acordo com informes da ONU, 2 a cada 5 norte-coreanos estão subnutridos.

Mesmo quando os norte-coreanos têm acesso a alimentos, nem sempre é uma aposta segura. O alimento é muitas vezes cultivado com fezes humanas como fertilizantes, o que provavelmente carrega e dissemina parasitas.

Mesmo um soldado na linha de frente, a principal preocupação do país que, portanto, recebe um tratamento muito melhor do que os civis, também sofre de infecções e desnutrição, então as preocupações com a saúde dos civis regulares parecem sem dúvida um pesadelo.

Após duas cirurgias, o soldado não identificado está agora consciente, mas ainda está fraco para fornecer mais detalhes sobre sua deserção. Ele será questionado assim que recuperar sua saúde.

Traduzido de NY Post e Koreaboo

Veja também:

0 comentários