Assassinato no Expresso do Oriente honra em nova versão cinematográfica

by - dezembro 08, 2017


Baseado no romance policial homônimo de Agatha Christie, "Assassinato no Expresso do Oriente" conta como treze estranhos presos em um trem tornam-se suspeitos de um misterioso assassinato que aconteceu na calada da noite. Hercule Poirot, detetive, corre contra o tempo para montar este quebra-cabeça antes que o crime se repita e o assassino ataque novamente.

Lançado no Brasil em 30 de novembro, esta, entretanto, não é a primeira adaptação cinematográfica da aclamada obra da literatura britânica, sendo sua primeira lançada em 1974. A nova versão do enredo de suspense é dirigida por Kenneth Branagh (Dunkirk, Cinderela) com roteiro de Michael Green e distribuição da 20th Century Fox.


O elenco é um dos principais atrativos da adaptação recém-lançada, com nomes como Daisy Ridley (Star Wars), Josh Gad (Animais Fantásticos e Onde Habitam), Johnny Depp (Piratas do Caribe) e Michelle Pfeiffer (Hairspray) em papéis de destaque. Kenneth Branagh, além de dirigir o longa, interpreta ainda o personagem principal Hercule Pirot, detetive a bordo do Expresso do Oriente que inicia minuciosa investigação após um passageiro de inúmeros inimigos ser encontrado morto.

Para quem não leu ou livro ou teve contato com a versão anterior e, portanto, não sabe o desfecho da trama, a obra de 2017 consegue climatizar seu espectador na atmosfera suspensiva que o leva a tirar palpites precipitados quanto ao verdadeiro assassino, estando sempre na tensão por saber qual será o próximo passo de Pirot em seu estudo sobre as personalidades dos suspeitos e da vítima.


O modo como as coisas se encaixam ao decorrer da história só demonstram como Agatha Christie foi um gênio a frente de sua época, digna de todo o reconhecimento que recebe até hoje como Rainha/Dama do Crime, mais de quadro décadas após seu falecimento.

É notável ainda um belíssimo trabalho fotográfico e de jogo de câmeras, principalmente quanto aos takes gravados de cima, com ângulos inusitados que colaboram com o clima de expectativa e ansiedade. Apresenta ainda certa sincronia nos vagões do trem que, nas cenas exteriores, é quebrada pelo próprio trem, que apresenta-se tombado, centralizado entre os personagens - uma espécie de metáfora quanto ao que acontece na mente dos passageiros, talvez?


Mesmo sendo uma obra de ficção, é interessante analisar que alguns fatores da vida real inspiraram a criação do livro e, consequentemente, afetam suas adaptações. Em 1931, Agatha, que tinha forte ligação com o Expresso do Oriente, serviço que ligava Paris a Istambul, ficou presa no trem por 24 horas por conta de uma chuva. Enquanto não podia deixar o local, escreveu a seu marido uma carta que descrevia as características físicas de alguns passageiros, que serviram como base para seu futuro romance.

O grande mistério surgiu um ano mais tarde, quando a autora descobriu sobre o sequestro de Charles Lindbergh Jr., o bebê de um famoso aviador da época que foi achado morto tempos depois, tendo a empregada como principal suspeita. Pela pressão, Violet Sharp, como era chamada, cometeu suicídio, mas pouco após sua morte a polícia concluiu que ela não estava envolvida no caso, levando Bruno Hauptmann, imigrante alemão, a ser condenado à pena de morte pelo crime de sequestro e assassinato sob pressão da mídia. Bruno morreu jurando inocência, e até hoje há duvidas sobre o caso.


Ambos livro e filmes trazem em sua base a busca pela justiça desse caso real cuja verdade ainda é omitida. O desfecho das histórias, entretanto, é diferente. A trama ficcional foca, ainda, no emocional do detetive, que tem sua viagem tranquila abalada por um acontecimento que o faz duvidar sobre a própria juricidade - fortemente construída no início do filme, por uma cena colocada apenas para passar credibilidade a sua figura.

A dramaticidade de um romance policial cult mistura-se ao blockbuster cinematográfico e entrega uma surpreendente narrativa de mistério já consagrada pela crítica em uma adaptação rica em estética e personalidade, tornando Assassinato no Expresso do Oriente de Kenneth Branagh em, talvez, um forte candidato a prêmios da atualidade.

Veja também:

2 comentários

  1. Oiii amore, tudo bem contigo? Vi que você fez um post sobre esse filme e logo depois de comentar o filme sobre SW vim aqui correndo :D
    Eu vi esse filme com a minha mamãezinha, achei legal que ela que me chamou para assistir (sempre é o contrario), porque ela viu que o filme é baseado em um livro da Agatha Christie e ela me disse que quando era jovem lia MUITO Agatha Christie, então imagino a nostalgia que deve ter dado para ela ♥ e eu com certeza concordei em ir

    Esse filme está cheio de atorsão né? Adorei ter visto a Daisy Ridley, adoro quando meus atores favoritos descolam e principalmente porque não quero que ela fique "presa" em Star Wars, é muito talento para isso ♥
    Nossa, nem sabia que mesmo sendo ficção foi baseado em alguns fatos reais... achei esse caso super profundo
    Eu amei o estilo do filme, tudo era tão fino, estiloso e clássico... O final do filme me surpreendeu e eu também refleti bastante, é riquíssimo

    Até logo ☆ミ(o*・ω・)ノ
    Blog:ShyandBrave

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legaaal, minha mãezinha só me enrola pra ver os filmes hahahaha sua mãe, por ter lido o livro quando jovem, deve ter adorado a adaptação, né? É bom quando a gente gosta de alguma coisa e vê ela tomando novos rumos, eu particularmente adoro ♥

      Só tem atorzão mesmo! A Daisy é maravilhosa, achei que fosse difícil não ver ela como a Rey depois do meu vício gigantesco em Star Wars, mas foi muito bom ver ela na pele de outra personagem hahahaha muito talentosa! Espero poder ver mais filmes com ela em breve. ♥

      Eu só descobri que era baseado em fatos reais enquanto escrevia o post, acredita? Se eu soubesse antes de ter ido pro cinema acho que teria me borrado um pouco, porque a história é MUITO TENSA. Sentiu uns arrepios também?

      O filme é muito chique. O cenário é maravilhoso, com uma pegada bem britânica que eu não vou mentir que adoro. Estilo bem clássico mesmo, pra combinar com a obra original da Agatha. Será que vem Oscar? AHUAHUAHUH

      Até logo ~♥

      Excluir