5 coisas que amamos em Anne with an E

by - janeiro 27, 2018


Por que amamos Anne with an E? Por muitos motivos. A história da pequena órfã de infância difícil que finalmente encontra um lar amável em Green Gables é extremamente cativante, sendo muito bem reproduzida do livro de Lucy Maud Montgomery para as telas da televisão neste seriado produzido pela CBC em parceria à Netflix, mas citemos então o mínimo de cinco coisas que são extremamente fascinantes nesta obra tão poética e tocante.


Feminismo
Feminista acidental. Esse é o termo que Moira Walley-Beckett usa como apelido carinhoso a Anne Shirley, protagonista da série que desde o primeiro segundo em cena, se mostrou feminista. Uma garota a frente de sua época, quebrava tabus desde o modo como a menstruação é tradada como uma vergonha até o desejo de casar-se com a pessoa, mas não de ser uma esposa com as responsabilidades de cuidar da casa e do marido.  

Embora tenha sido lançada em 2017, a história é ambientada no século XIX, mais ou menos em tempo real ao que a autora escrevia o livro Anne de Green Gables, no qual o seriado foi baseado. Nesta época, no mundo real, o termo "feminismo" começava a ser descoberto e a série faz questão de abordar isso em um dos episódios, quando um grupo de mães se reúne para discutir a educação das filhas, crentes de que elas devem receber os mesmos direitos que os meninos.

A série mostra, ainda, o posicionamento da igreja na época, que utilizava trechos de textos sagrados para impor o lugar e função da mulher: dentro de casa, aprendendo a cuidar do lar até que se case, sem se preocupar com educação escolar, mas em preparar-se para ser uma boa esposa no futuro. Comentários quais Anne repudiou.


Amybeth McNulty
A atriz protagonista compartilha muito da personalidade de sua personagem, inclusive o feminismo. Mas não é só por seu caráter que merece ser prestigiada, mas, principalmente, por seu talento.  Amybeth nasceu em 2001 e não esteve em grandes produções antes de protagonizar Anne With an E. A atriz irlando-canadense atuou anteriormente em filmes como Morgan, interpretando a protagonista que dá nome ao longa aos 10 anos de idade, e no seriado britânico infantil The Sparticle Mystery, como Sputnik

Dar vida a Anne Shirley foi sua primeira chance de brilhar e de mostrar seu verdadeiro talento ao público. Ao interpretar a sonhadora e forte garotinha órfã, a pequena McNulty deu o melhor de si para trazer a cena a performance mais poética possível, fazendo jus ao universo da personagem que, embora seu passado difícil, insiste sempre em ver o lado mais belo de tudo e luta sem medo por o que acha correto. Com as filmagens para a segunda temporada em andamento, estamos ansiosos para conferir mais uma parte não só da história de Anne de Green Gables, mas da vida profissional de Amybeth, que ainda tem muito a crescer em um futuro promissor. 


Família não tradicional
Baseada no clássico romance canadense de 1908, a obra continua abordando temas tão atuais como se estivesse sido escrita agora, em pleno século XXI. Além do feminismo, o livro trouxe o tema de formas não tradicionais de família, que foi muito bem retratado na televisão. Anne, órfã, passou por várias famílias abusivas até finalmente encontrar uma que estivesse disposta a lhe dar o merecido amor. Esta, entretanto, não era formado por um casal casado, mas dois irmãos de terceira idade que moravam juntos. 

A intenção, entretanto, não era bem essa, a adoção de Anne foi uma consequência de um erro do sistema de adoção local: na verdade, os irmãos estavam em busca de um menino que pudesse ajudá-los na fazenda. Com a chegada da garota, a ideia inicial era de mandá-la embora, mas como recusar uma garotinha tão esperta, sonhadora e alegre como esta? O erro acabou tornando-se a melhor escolha das vidas de Matthew e Marilla Cuthbert.


Fotografia e caracterização
Uma fotografia dessas, bicho! Com acontecimentos narrados em fazendas e vilarejos localizados na Ilha do Príncipe Eduardo, uma das dez províncias do Canadá, a equipe conseguiu filmar algumas cenas por lá, mas o custo sairia muito alto para gravar toda a série na ilha e, portanto, teve como cenário principal a cidade de Ontario, ainda no Canadá, por ter uma aparência bem semelhante a dita Green Gables da literatura - que existe hoje como ponto turístico.

Não só os vales, fazendas, casas e escolas foram equipados para dar o ar do século XIX à série, mas os próprios personagens, com roupas bem típicas da época - incluindo os populares vestidos de mangas bufantes os preferidos de Anne. Foi um trabalho soberbo, eu diria. 


Frases e diálogos

Anne With an E é um seriado muito poético, com uma protagonista leitora, sonhadora e que sempre escolhe as palavras mais belas para expor seus sentimentos e nomear as belezas naturais que a cercam. Sua linguagem bem desenvolvida em encontro a uma personalidade que não aguenta calada o sofrimento e tampouco proíbe-se de manter-se quieta diante as belezas da vida, acaba envolvendo-se em monólogos e diálogos aconchegantes que nos colocam para refletir.

Como exemplo, a protagonista, em um momento de sofrimento, solta que "desejar que algo seja diferente não o tornará realidade", que bate de frente com pensamentos pessimistas ou positivos. Em termos bem pleonásticos, a realidade é realista, e desejar algo não mudará nada. Desejo é um substantivo abstrato, será necessário algo mais concreto. Como ações, que são a materialização de nossos pensamentos e vontades. 

Veja também:

1 comentários

  1. Amei amei amei. Sou lá do grupo do face e tô amando sua série de postagens sobre Anne.
    Me deu vontade de rever todinha a season 1 (de novoooo), mas to me segurando pra esperar chegar mais perto da estreia da segunda!
    Beijão!

    http://www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir