Anne With an E é belo em todos os quesitos | Crítica

by - janeiro 18, 2018


Baseado na obra canadense de Lucy Maud Montgomery, Anne de Green Gables, publicado pela primeira vez em junho de 1908, Anne With an E é uma série criada por Moira Wally-Beckett originalmente transmitida pela CBC e disponível como original Netflix desde 12 de maio de 2017, com sua segunda temporada já em produção e com estimativa de lançamento para 2018. 

A produção nos apresenta a Anne Shirley, uma garota órfã e de cabelos avermelhados que, após treze anos sofrendo em busca de uma família, é mandada para o lar de um casal de irmãos solteiros em Green Gables, onde encarará uma nova fase de sua vida com muita imaginação e novos desafios. Na luta por sua aceitação e pelo esquecimento de seu passado triste, a inteligente garota apaixonada por livros e vestidos de mangas bufantes vivenciará um mundo que não está preparado para receber uma garota com tal intelecto.

A série aborda temas como o preconceito, bullying, aceitação social, esperança, identidade, amizade, família e, até mesmo, feminismo, com uma personagem a frente de sua época quanto ao tratamento e função das mulheres na sociedade, tudo, ainda, com a visão de uma garota de treze anos que, embora a inocência da pouca idade, não é boba para essas questões.


Anne é interpretada pela irlandesa Amybeth McNulty, de dezesseis anos, sendo o primeiro trabalho de destaque da atriz que já demonstrou ao público um pouco de seu talento em Morgan, filme de ficção científica de 2016. Destacam-se ainda Geraldine James e R.H. Thomson como os irmãos Cuthbert, e o americano Lucas Jade Zumann como Gilbert Blythe, garoto de boa aparência que, embora demonstre interesse por Anne, é negligenciado pela garota.

O espaço cenográfico do seriado é de uma beleza inacreditável. Anne with an E foi filmado em sua maior parte em Ontario, Canadá, mas com alguns belos momentos retratados na Ilha do Príncipe Eduardo, também no Canadá, que serviu de inspiração a autora da obra original na hora de criar a fazenda de Green Gables para seus livros. Hoje, o lugar realmente existe e é aberto para visitação, considerado local histórico.

Conforme a história se passa por volta de 1890, a produção teve todo o cuidado ao escolher locações, vestimentas, penteados e mesmo maquiagem que ajudassem a criar a ilusão de que, de fato, a série está sendo passada nessa época. O resultado é uma combinação delicada de natureza e gentileza que abraçam sob medida a protagonista e sua personalidade única, enquanto sua beleza e inocência infantil brilham em meio aos cenários simples, porém encantadores.  


A abertura é uma das mais belas já produzidas, com uma riqueza infinita de detalhes e o uso inteligente de tons de dourado e prata que reluzem enquanto cada item mostrado possui um significado, como a coruja, que representa a ferocidade e ousadia de Anne, com as garras levantadas e os beija-flores como a alegria. As frases que aparecem marcadas em árvores foram selecionadas a dedo por Alan Williams, diretor criativo da série, ditas como suas citações favoritas de Anne Shirley.

A música que acompanha esta obra de arte é Ahead by a Century, pela banda de rock canadense The Tragically Hop, que consegue trazer o espírito da série e de sua protagonista ao falar em sua letra sobre uma garota que está um século à frente de sua geração, assim como Anne. Infelizmente, o cantor e compositor Gord Downie faleceu em outubro de 2017, sendo muito homenageado pelo elenco, time de produção e fãs da série, tristes por sua partida prematura, aos apenas 53 anos, mas gratos por seu legado e participação na obra.

A obra literária original faz parte de uma saga de seis volumes, além de spin-offs de mesma autoria em que Anne desempenha papeis menores e uma prequela, "Before Green Gables", escrita por Budge Wilson e autorizada pelos herdeiros de Montgomery. Para a primeira temporada desta série, apenas os acontecimentos que vão até por volta da metade do primeiro livro foram narrados, comprovado que ainda há muito a ser mostrado em novos episódios.


No Brasil, a primeira edição do livro inicial chegou pela Companhia Editora Nacional em 1939, com tradução de Yolanda Vieira Martins, sendo relançado em 2009 pelo selo Martins Fontes. O primeiro volume havia sido o único traduzido e editado para o português até 2015, quando a editora Pedra Azul assumiu a responsabilidade de publicar a edição completa no Brasil, atualmente com dois volumes já registrados.

A série, portanto, chega a ser intertextual em certa medida, ao ser baseada em uma obra literária e apresentar uma protagonista apaixonada por literatura, sonhadora e que enxerga a poesia como uma válvula de escape da realidade que, por muitas vezes, demonstra-se cruel com a pobre jovem de cabelos ruivo. Unida ao tratamento de dadas temáticas importantes anteriormente citadas, a produção garante a sua beleza para além de uma bela fotografia, mas principalmente por sua mensagem significativa, sútil e gentil.

Anne with an E, com os sete episódios de sua primeira temporada, está disponível para ser assistido pela Netflix e merece a sua atenção.

Veja também:

1 comentários

  1. Eu achei essa série linda, se possível uma das mais lindas e emocionantes que vi no ano de 2017. Ela é tão pura e tão real/séria ao mesmo tempo. A Anne conquista sem nem sequer perceber, encantadora. Aprendi muito com ela e espero que possa ter uma continuação, seria maravilhoso <3

    www.memorizeis.com

    ResponderExcluir