The End of the F***ing World estreia na Netflix e é magnífica | Crítica

by - janeiro 05, 2018


The End of the F***ing World é uma série de televisão de comédia sombria e drama baseada nos quadrinhos homônimos de Charles S. Forsman. Originalmente lançada pelo Channel 4 e All 4 no Reino Unido em outubro de 2017, a série vendida para a Netflix estreou mundialmente pela rede de streaming em 5 de janeiro de 2018.

Somos apresentados a James, um garoto de 17 anos que tem quase certeza de que é um psicopata. Cansado de colecionar cadáveres de animais, decide dar um novo passado e conquistar algo maior, assassinando um humano. Na escola, embora desinteressado nas aulas, observa os arredores e encontra sua vítima perfeita, Alyssa.

O que James não contava é que a adolescente é tão pirada quanto ele e, juntos, começam uma jornada nada corriqueira de fugir de casa, socar pessoas, roubar coisas, destruir um carro... e tudo isso é apenas o começo de uma nova rotina que vai dar muito trabalho à polícia.

Netflix/Divulgação
Por baixo de sorrisos sarcásticos e de máscaras que dizem "está tudo bem", entretanto, moram dois adolescentes assustados pelas próprias ações, apavorados pelo futuro que os espera e sem saber o que fazer em seguida. Os protagonistas pensam em uma coisa mas fazem outra, e é essa imprevisibilidade de suas personagens jovens, rebeldes e amedrontadas que transformam o clima da série em algo desigual.

A psicopatia do protagonista acaba se tornando apenas um plano de fundo em meio a tantas outras características adotadas pelo seriado ao longo de seus oito episódios curtíssimos, de apenas 20 minutos de duração a cada. O desenvolvimento de um romance bizarro e o modo como os protagonistas crescem graças ao relacionamento e as intrigas em que se metem mostra um lado mais sombrio da adolescência de que, as vezes, a rebeldia e suas peculiaridades comportamentais podem ser apenas formas de demonstrar o quão incompletos e aterrorizados se sentem.

Abuso, estupro, suicídio, assassinato, roubo e psicopatia são apenas alguns dos temas pesados que estão presentes na trama. Se para quem assiste alguns momentos já chegam a ser chocantes além da conta, imaginar-se na pele dos personagens pode ser um exercício interessante para treinar nossas diferenças e semelhanças com aquilo que assistimos.

Netflix/Divulgação
Quem interpreta o protagonista James é Alex Lawther, ator já conhecido pelos fãs da Netflix por seu trabalho como Kenny, o pedófilo do episódio Shut Up and Dance da terceira temporada de Black Mirror. Jessica Barden, britânica de 25 anos, já atuou em filmes menos populares como Longe da Multidão (2015) e Regressão (2013), mas mostra grande potencial para crescer após sua interpretação como a rebelde a Alyssa no novo seriado.

Aliás, a atuação de ambos é de ampla importância para a construção da atmosfera do seriado: por serem mais velhos que seus personagens, os atores conseguem transparecer expressões e sentimentos típicos desta fase da vida por já terem-na vivenciado. A grande sensibilidade do assunto abordado é dada graças a dicotomia pessoal de James e Alyssa, e seus atores fizeram um bom trabalho ao interpretar personagens tão complexos como os em questão.

Em termos de qualidade, outros atributos que se destacam são a fotografia, que gosta de brincar com tons de preto, vermelho e verdade, lembrando um pouco Submarine (2011), que também aborda um relacionamento adolescente excêntrico, e a trilha sonora com clássicos dos anos 60 que, felizmente, está disponível em uma playlist no Spotify para poder ficar ouvindo o dia inteiro.

Netflix/Divulgação
Até o momento, The End of the F***ing World ainda não foi renovada para a segunda temporada, mas podemos aguardar por boas novidades após a resposta positiva que vem recebendo do público e da crítica - isso, claro, sem contar aquele final super aberto que deixou um arco gigantesco para receber uma boa continuação.

Veja também:

4 comentários

  1. Parece ser uma série bem interessante e em que eu assistiria num final de semana só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A série toda não dura nem três horas, é perfeita pra quem tem pouco tempo pra maratonar mas quer se aventurar em uma boa história. ♥

      Excluir
  2. Confesso que não tinha interesse nenhum em assistir essa série, mas parece ser bem legal. Por ser bem curta acho que dá pra terminar rapidinho, espero conseguir assistir depois de colocar minhas séries em dia! Se eu assistir voltarei aqui e direi o que achei !
    Ótimo post :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é bem legal sim, Carol. Fiquei bem interessada nela logo que vi o trailer e não me decepcionei em nada quando assisti. Vou ficar te esperando voltar, hein? Espero que goste!

      Excluir