Homem-Formiga e a Vespa é divertido, essencial e MUITO bem planejado

by - julho 13, 2018


O Homem-Formiga está de volta aos cinemas e, desta, vez, vem acompanhado: Scott Lang (Paul Rudd) quebrou o Tratado de Sokovia ao ajudar o Capitão América durante a Guerra Civil e é condenado a dois anos de prisão domiciliar, sendo obrigado a se afastar temporariamente do posto de super-herói. Pensando em sua filha, busca cumprir legalmente a sua prisão, mas a apenas três dias de poder voltar a sair de casa, algo muda seus planos.

Um sonho com Janet Van Dyne (Michelle Pfeiffer), esposa do dr. Hank Pym (Michael Douglas) que desapareceu há 30 anos ao entrar no mundo quântico em um ato de heroísmo, deixa os nervos de Soctt à flor da pele. Em contato com Hank e sua filha Hope (Evangeline Lilly), Scott logo se vê em uma missão com a dupla: ajudar a construir um túnel quântico que possa resgatar Janet com vida.


Embora Vingadores: Guerra Infinita seja o filme mais recente da Marvel, Homem-Formiga e a Vespa está mais diretamente ligado a Capitão América: Guerra Civil, conforme Scott vive as consequências e, por este motivo, não participou do terceiro filme dos Vingadores que chegou aos cinemas em maio. É neste longa que vemos o que o engraçado herói estava fazendo que não pode ajudar os demais na primeira parte da luta contra Thanos, e o resultado é incrivelmente magnífico. 

Membro do fã clube "Adoramos o Paul Rudd desde Friends", não nego que basta seu nome nos créditos de um filme que já é o suficiente para me convencer de pagar o ingresso do cinema - ou a mensalidade da Netflix, com o incrível The Fundamentals of Caring (Amizades Improváveis), de 2016, que me choca até hoje com tamanha perfeição.


A atuação de Paul tem um toque cômico e sensível que casa perfeitamente com seu personagem no universo cinematográfico da Marvel, quando Scott Lang tem, em seus filmes solo, um ar mais familiar que os demais filmes da franquia de Os Vingadores, e isso não é um ponto negativo, ao contrário dos que muitos podem pensar. Considero essencial as diferentes cores emocionais entre os personagens de um mesmo universo, evitando, portanto, a repetição de fluxos narrativos e dando maior liberdade criativa para o estúdio responsável.

Antes do lançamento do filme li, pejorativamente, que este seria a "primeira comédia romântica da Marvel" e, de fato, é, mas não com o sendo de repulsa como anunciado por outros sites, mas como uma feliz graça que faz jus a personalidade de Scott. A chegada de Vespa como co-protagonista, interesse amoroso e, ao mesmo tempo, mulher independente que é tão poderosa quanto, e não somente uma ajudante, entra como a proposta perfeita para um aprofundamento romântico típico de filmes do gênero, ainda mais com o forte relacionamento paterno do personagem que, a cada enrascada que se mete, sente o peso na consciência por isso poder acometer sua presença na vida de sua filha.


Como filme de ação, não deixa a desejar, embora a sua já esperada "mistureba" cômica típica do personagem. Entre o reino quântico, o principal diferencial de ficção científica do filme, as formas e objetos brincam de aumentar e diminuir de tamanho, mas nada de levar as coisas muito a sério: as habilidades são encaradas de forma divertida, seguindo o tom do filme, com balas de Hello Kitty gigantes e carrinhos hot wheels que ganham versões funcionais e em tamanho real. 

O já conhecido laboratório da Pym Tech, localizado dentro de um prédio de aparência comum, ganha um adicional quando torna-se uma versão portátil de si mesmo, facilitando a mudança de locações: basta posicionar a miniatura em um terreno vazio, apertar um botão de controle e remoto e, pronto, novo endereço do laboratório. Prático, mas nem tanto, dá origem a boas cenas da trama.


Luis, nosso personagem preferido do primeiro filme, retorna para a sequência com a sua incrível habilidade de enrolar os vilões com suas longas contações de histórias e, traz consigo, dois novos personagens que são funcionários de sua pequena empresa. Eles ganham alguma certa atenção, principalmente quanto a comicidade da narrativa, e é incrível conhecer esses novos personagens.

No time dos vilões, temos Fantasma (Hannah John-Kamen) e Sonny Burch (Walton Goggins), com ambições humanizadas e, principalmente para Fantasma, de certo modo compreensíveis, mas ainda moralmente incorretas. Em meio a traições, perseguições, mudanças de tamanhos e socos poderosos, o "dark side" é apresentado no longa com certo carisma, mas ainda com reviravoltas que, de novo, remetem às comédias românticas.


Não me surpreenderia se, em um futuro não tão distante, esse filme se transformasse em um clássico da sessão da tarde: a mistura de romance, ficção científica, ação e comédia vem na media certa para ser um grande sucesso apreciado por todas as idades, embora alguns fãs da Marvel ainda não tenham percebido o lado positivo de se ter um filme com uma linguagem tão diferente quanto este.

O final da trama é essencial para a sua conexão com Guerra Infinita e Vingadores 4, trazendo uma nova ponta para o esperado fio narrativo que esperamos para 2019 - e nos deixando ainda mais ansiosos para o seu lançamento. Sem spoilers para não perder a graça, o filme é obrigatório para qualquer fã da Marvel e seus acontecimentos podem fazer a total diferença no futuro dos filmes do estúdio. Vale o ingresso, a pipoca, o refrigerante e muito mais. 

Veja também:

0 comentários