'Para todos os garotos que já amei' é um livro irresistível sobre os pesadelos do amor platônico adolescente

by - agosto 16, 2018


Publicado em 2014, Para Todos os Garotos que Já Amei é o primeiro livro de uma trilogia adolescente escrita por Jenny Han que chegou ao Brasil pela Editora Intrínseca. Narrado em primeira pessoa pela protagonista Lara Jean, conta sobre como sua vida se transformou em um pesadelo. O motivo? Cartas de amor que nunca deveriam ter sido entregues. 

Sempre que queria dar um fim em algum crush platônico, independente do motivo, Lara escrevia cartas de amor bem detalhadas, contando tudo o que amava e odiava na pessoa, mas nunca as entregava. Tudo ficava guardado em seu guarda-roupa, dentro de uma caixa em formato de chapéu, presente de sua falecida mãe. Um dia, sem seu conhecimento, as cartas são misteriosamente entregues aos garotos - cinco, ao todo - e começa o terror em sua vida.

Todo o desenvolvimento do livro é focado nas consequências das entregas dessas cartas, com cada garoto reagindo de um jeito diferente, enquanto Lara tenta encontrar um modo de restaurar a normalidade em sua vida, com muita dificuldade e quase nenhum sucesso. Algumas desgraças, entretanto, acontecem para o bem, e logo a garota irá descobrir isso.


Sendo assim, a história também passa a abordar o amadurecimento da protagonista. Em alguns momentos, Lara age como uma criança imatura, muitas vezes deixando sua insegurança se sobressair, sem confiança nenhuma em si mesma por sempre ter vivido a sombra de sua irmã mais velha, Margot, que é citada à exaustão. 

Não que Margot seja uma personagem chata, mas as contantes recorrências de Lara a sua irmã, sempre colocando-a em um pedestal, Santa Margot da Perfeição, a tornam um tanto cansativa. Em certo ponto você se pergunta se a história é sobre Margot ou sobre Lara, mas o motivo de tudo isso é a falta de protagonismo de Lara em sua própria vida, vivendo em torno sempre do que ela chama de Irmãs Song.

Além das duas, há uma terceira irmã, mais nova, chamada Kitty, que é pequena, sarcástica e super inteligente e, embora possa parecer um pouco mimada, é um bom alívio cômico e peça essencial para a história ao representar, ainda, uma espécie de imã para os dois personagens masculinos centrais, destinatários das cartas de Lara: Josh e Peter.


Josh é um cara super gentil e vizinho das irmãs Song. Foi um grande amigo da família por muitos anos, até se apaixonar por Margot e passar a namorar com ela - o que nenhum dos dois esperava é que, desde antes disso, Lara já nutria sentimentos pelo rapaz. O segundo é Peter, da escola, que tem o típico perfil de protagonista de filmes adolescentes: esportista, popular, bonitão, namora a líder de torcida, a receita perfeita para um crush-problema. 

Os outros três rapazes não são tão frequentes na história quanto esses dois, facilitando a narratividade e o foco da história em um triângulo amoroso que abre diversas vertentes que só complicarão ainda mais a vida de Lara, ainda mais quando cada um deles esconde um turbilhão de sentimentos dentro de si. Dentre beijos escondidos e namoros de mentirinhas, a adolescência da protagonista ganha um novo tom, conforme a garota precisa crescer dentro de si mesma para encontrar soluções racionais para seus problemas. Mas nada é fácil quando se tem dezesseis anos.


O livro tem tudo para ser mais uma daquelas histórias clichês, e pode até ser, mas conforme a história se desenvolve e novas problemáticas vão se desenrolando entre os personagens, torna-se um misto de surpresas e previsibilidades que é extremamente prazeroso de acompanhar. Se você adora histórias repletas de dramas adolescentes, romances desajeitados e uma protagonista gente como a gente, esse livro é para você.

Com 320 páginas, é uma leitura fácil e de vocabulário acessível, mas que rende umas boas horas de diversão e aquele apertinho no coração a cada novo arco. Os surtos são certos e constantes, o que só dá um plus em sua classificação - quem não adora aquele momento de vontade de jogar o livro longe, mas logo voltar pra leitura porque não consegue mais parar? Vale cada segundo, vale cada emoção.

Veja também:

1 comentários

  1. Sempre tive interesse em ler essa trilogia e até já comprei o primeiro livro, mas me faltava a motivação para começá-lo. Lendo seu texto eu percebi que ele possui tudo o que eu gosto pois adoro um clichê, então não vejo a hora de ler esse livro que parece que entrará pra minha lista de favoritos!
    Até mais :D

    ResponderExcluir