RESENHA: Divertida Mente (2015)

by - dezembro 26, 2015


Depois de alguns meses após o lançamento de "Divertida Mente", tomei vergonha na cara e parei de enrolar. Durante um dos meus momentos de tédio supremo, resolvi assistir à animação que firmou mais uma grande parceria entre os grandes estúdios Pixar e Disney. Resultado: Amor a primeira vista! Venham conferir minha resenha desse filme todo lindinho que me conquistou intensamente!
Título Original: Inside Out
Produção: Pixar e Disney
Lançamento: 2015, Estados Unidos

Riley tem 11 anos de idade, é uma menina super divertida de Minnesota, mas acaba tendo que se mudar para São Francisco com a família, abandonando então sua escola, amigos e seu tão amado time de hockey. No cérebro dela, estão as emoções como Alegria, Raiva, Nojinho, Medo e Tristeza, que acabam fazendo uma confusão tremenda na sala de controle.

Alegria e Tristeza acabam sendo expelidas do local e precisam voltar o mais rápido possível, mas o caminho não é tão fácil assim. Com toda essa situação rolando em seu cérebro, o comportamento de Riley acaba mudando drasticamente, trazendo estranhez entre seus pais enquanto os problemas só aumentam.


Os personagens são super bonitinhos e engraçados, comum vindo de uma animação. Cada um deles é a personificação de uma emoção, agindo de acordo com suas características e, por serem tão diferentes, muitas vezes acabam discordando e fazendo altas peripécias graças a isso, mas eles se amam e precisam de um ótimo trabalho em equipe para manter tudo ok.

Tá sacando o tamanho da lição de vida implícita nesse filme? Aprender a conviver com as diferenças! Isso não serve só para as crianças não, mas principalmente pra muita gente aí que já está na sua fase adulta e ainda não aprendeu a respeitar o amiguinho. LIÇÃO LINDA!


Outra coisa importantíssima que a animação tem a nos ensinar é sobre a importância de todas as nossas emoções, todas. Mesmo aquelas negativas que nós costumamos reclamar, como a tristeza, o medo, a raiva, todas elas possuem importantes funções dentro e nós, não devemos então ver elas apenas como coisas ruins, mas aprender a manter um certo equilíbrio, pra que elas não transcendam as positivas.

Agora que já falei tudo isso, vou confessar que comecei a assistir achando que seria apenas mais um filminho engraçado, mas mordi a língua total. Essa animação me fez chorar três vezes ao decorrer da história, é muito tocante! Todas as lições, as ações dos personagens, quando percebi já estava derramando umas várias lágrimas sobre o travesseiro.  


Uma das coisas que mais me chamaram atenção foi o modo em que eles representaram a mente de Riley, para tornar tudo de um fácil entendimento sem perder o sentido. O cérebro é uma torre de controle, onde tem os trabalhadores - as emoções - que interpretam o que está acontecendo ao seu redor e mandam os comandos para ela. Sensacional!

O filme também nos mostra algumas ilhas, que ficam ao redor da torre de controle. Tudo aquilo que ela considera importante estão representadas nessas ilhas, que são partes da personalidade da Riley, seus pensamentos e amores pela sua família, o time de Hockey, seus amigos, sua honestidade e a bobeira.



Um dos objetos principais do filme são as memórias, representadas por globos de cores referentes às emoções nelas impostas: amarelas para alegria, azul para tristeza, vermelha para raiva e por aí vai. Memórias muito marcantes geram ilhas de personalidades, enquanto também existem as de longo e curto prazo. A animação também mostra que memórias do dia interferem em nossos sonhos.

A maioria do filme se passa dentro da cabeça da nossa menininha de onze anos, mas o tempo restante mostra aquilo que ela realmente está vivendo, como as pessoas ao seu redor estão encarando essa mudança temperamental dela, em alguns momentos até mesmo mostram a mente de seus pais, seguindo o mesmo esquema. Achei isso bem interessante.


Desde Como Treinar o Seu Dragão não via uma animação de um nível tão alto e com boas mensagens ao fundo. Se você está procurando um final de semana divertido e emocionante para passar com a família toda, pode apostar nesse filme que é sucesso na certa. Uma dose de drama, bom humor e lições fazem bem para todas as idades.

Algumas curiosidades:

  • Comentando sobre o design único dos personagens, Pete Docter disse "os personagens são criados com essa energia, pois estamos tentando representar como as emoções pareceriam. Eles são compostos de partículas que realmente se movem. Em vez de pele e resistência, é uma agrupamento de energia."
  • Os roteiristas consideraram até 27 emoções diferentes, mas decidiram por cinco (Alegria, Tristeza, Nojinho, Medo e Raiva) para tornar o filme menos complicado. Algumas das principais emoções que acabaram sendo cortadas, incluíam Surpresa, Orgulho e Confiança.
  • Segundo o diretor Pete Docter, cada emoção é baseada em uma feição: Alegria em uma estrela, Tristeza é uma lágrima, Raiva é um tijolo, Medo é um nervo exposto e Nojinho é um brócolis. Ele observou que gosta bastante de brócolis.
  • A inspiração de Pete Docter para este filme, veio de acompanhar sua própria filha passar pela dinâmica fase do crescimento.
  • Divertida Mente contou com uma equipe de apenas 45 animadores, que é cerca da metade dos integrantes de filmes anteriores da Pixar.
  • O designer de produção Ralph Eggleston trabalhou por cinco anos e meio em Divertida Mente. Ele diz ter sido o filme mais longo em que já trabalhou e o processo mais difícil. (AdoroCinema)


Então, essa postagem vai ficando por aqui, espero que tenham apreciado a leitura. Quem aí já assistiu Divertida Mente? Gostou? Deixe sua opinião sobre o filme/resenha nos comentários! Vejo vocês na próxima postagem, até mais!

Veja também:

3 comentários

  1. Pelo amor, melhor resenha que eu já li.
    Eu já tinha assistido o filme, mas queria saber um pouco sobre como você se sentiu, e descobri que a gente teve o mesmo tipo de emoções (RÁ piadinha da Paozinha). Sério eu também chorei em algumas cenas e eu fiquei com o coração na mão quando eles veem que trabalhar em equipe é a unica coisa que vai dar certo em tudo que eles quiserem fazer.
    O fato das emoções e lembranças serem guardadas, cara aquilo me deu um nó na cabeça e eu fiquei pensando seriamente se eu tenho isso dentro de mim com as minhas lembranças antigas, porque querendo ou não a gente lembra de algo assim, e ai meu deus.. Esse é o melhor filme. Eu amei taaaaaaaaanto, principalmente pelo fato de não necessitar de um final clichê: principe encantado e bla bla bla.
    AAAAAH amei amei amei! ♥ ♥ ♥ Arrasou ♥ ♥ ♥

    Sekai Bakawaii

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAAAAAAAAAAH OBRIGADA ♥ ♥ ♥
      Fico sem palavras toda vez que leio esses comentários seus, sério, vem cá me dar um abraço sua linda. <3
      Fiquei meia hora rindo da sua piada, sensacional AHUAHUAHUAHUAH E esse é o melhor filme mesmo, gente, como pode uma animação dessas ser tão boa assim? Esse filme mexeu completamente com as minhas emoções (entendeu?). -Q
      PENSEI QUE FOSSE A ÚNICA MANTEIGA DERRETIDA QUE CHOROU, ME SENTI MELHOR AGORA!
      E também fiquei martelando sobre isso, porque todas as metáforas que a animação usou para explicar e personificar as emoções, memórias e etc fazem MUITO sentido. Explica aí, ciência!
      Sem clichê, só amor. Amo essas animações cheia de historinhas fofas e lições de vida. <3

      Obrigada pelo comentáriooooooooo, beijosss. <3

      Excluir
  2. Sem dúvida melhor resenha do filme divertida mente... Parabéns. Abraço.

    ResponderExcluir