A volta dos anos 90

by - janeiro 14, 2017


Você já deve ter reparado que diversos grupos coreanos que fizeram sucesso nos anos 90 estão de volta aos palcos, promovendo músicas novas, remakes e chamando a atenção por onde quer que vão. Esse retorno já parece grande por si só, mas, em alguns casos, é ainda maior do que se possa imaginar. Se você é fã dos artistas dessa época ou está a fim de conhecer um pouco mais sobre suas histórias e a relevância desse momento para o K-POP, siga com a sua leitura.


SES teve sua estreia em 1997. O trio feminino da SM Ent. completa nesse agora em 2017 nada menos que 20 anos de existência, mesmo que tenha ocorrido um hiato de catorze anos devido ao fim do grupo, em 2002. De acordo com Eugene, durante uma entrevista, as integrantes queriam renovar o contrato na época, mas sua gravadora não queria dar continuidade ao grupo e só renovaria contratos individuais. Assim, decidiram seguir caminhos diferentes, fora da SM.



Com o vigésimo aniversário do grupo, em 2016 começaram a ser liberadas fotos promocionais das garotas, além de diversos arquivos pessoais que marcavam o reencontro do grupo. Com a nostalgia a mil, o primeiro girlgroup da nação (título atualmente sob domínio do Girls' Generation) revelou em dezembro uma nova versão de Love, faixa antiga do grupo que estava sendo relançada pelo projeto SM Station como um aquecimento para o verdadeiro álbum do grupo.  

Durante o especial de ano novo da MBC, Gayo Daejejeon, tiveram sua primeira performance oficial em anos, apresentaram Remember, faixa que também carrega o nome do novo álbum especial, e o seu sucesso clássico I'm Your Girl, música que marcou a carreira do grupo e é reproduzida por outros girlgroups até a atualidade. O vídeo para Remember foi carregado no canal oficial da gravadora.

Logo no primeiro dia do ano, fomos presenteados também com o MV de Paradise, mais uma faixa do álbum. Dessa vez, misturaram o tom antigo do SES com algumas pegadas adotadas pelo K-POP atual, gerando um ótimo resultado que, com certeza, agradou a todos os admiradores do grupo. Infelizmente, o grupo optou por não promover em shows de variedade, o que é uma verdadeira pena.


Uhm Junghwa pode até ser um nome desconhecido aos fãs internacionais, mas em atividade desde 1993, nunca foi esquecia em seu país de origem. Seu último trabalho como cantoria havia sido em 2008, com o álbum D.I.S.C.O, mas retornou em 2016/2017 com o seu décimo álbum The Cloud Dream of the Nine, do qual promoveu as faixas Dreamer e Watch Me Move. Nos especiais televisivos de fim de ano, ainda realizou parceria com T.O.P (Big Bang, que originalmente já cantou a faixa com ela), Hwasa (Mamamoo) e Monsta X.

Além de cantora, a mulher nascida em 1969 também é uma renomada atriz, dona de uma grife de lingeries e ainda leva o título de uma das mulheres mais influentes na indústria de entretenimento coreana, além de ser considerada um dos ícones do K-POP dos anos 90.


O sexteto masculino Sechskies estrou em 1997 pela DSP Media (na época, sob o nome de Daesung Entertainment) e foi um dos maiores sucessos da década, principalmente após o lançamento da faixa Couple, que estourou em todas as paradas coreanas. Infelizmente, o grupo durou apenas três anos, com seu disband oficializado em 2000. Para a nossa felicidade, em 2016 a YG Entertrainment resgatou o grupo como um quinteto.

Em 7 de outubro lançaram um novo single digital, Three Words, primeira faixa do grupo em 16 anos com produção de Tablo e Future Bounce. O álbum, entretanto, foi lançado em dezembro sob o nome de "2016 Re-ALBUM", com gravações remasterizadas de 10 músicas que marcaram a carreira do grupo. O grupo inclusive teve uma aparição no Weekly Idol no mesmo mês.

A reunião como um sexteto, entretanto, chegou a acontecer em abril de 2016, quando showcase de reencontro foi organizado pelo Infinite Challenge, popular programa televisivo sul-coreano. Ko Ji Young, o único membro a não assinar contrato com a YG, também não iria aparecer no concerto, mas foi persuadido pelos membros da organização e próprio Yoo Jae Suk (apresentador) a aparecer.


Shinhwa é outro sexteto dos anos 90 e o grupo com maior tempo de atividade na história do K-POP. Com sua estreia em 1998, pela SM, o grupo faz valer o seu nome - que pode ser traduzido para o português como "mito" ou "lenda". Pela gravadora, o grupo lançou cinco álbuns até seu contrato expirar em 2003, quando resolveram então partir para a Good Entertainment, onde ficaram até 2008 e, em 2011, abriram sua própria agência: Shinhwa Company. Durante o período de hiatus, os integrantes cumpriram seus deveres com o exército.

Dentre as músicas do grupo, destacam-se Wild Eyes, Perfect Man, Venus e This Love. Em 2015, lançaram Sniper, que faz parte do seu décimo segundo álbum, We. No final de 2016, anunciaram seu trabalho mais recente, Unchanging, que veio a ser lançado em duas partes: a primeira, em dezembro, leva o clima Natalino à faixa Orange como um spoiler do que está por vir, até, finalmente, em janeiro 2017 ser lançado completamente com a faixa título Touch.

Mesmo com a idade média de 36 anos, os quase ahjussis do K-POP continuam a fazer gerações de fãs gritarem e lotarem seus shows, além de manterem a imagem sensual e forte que o grupo sempre teve. Não só entre o público, os caras também são respeitados entre todos os artistas da indústria coreana, tendo suas músicas reproduzidas por grupos velhos e novos, como frequentes homenagens. Verdadeiras lendas.


Turbo era um dueto formado por Kim Jong Kook and Kim Jung Nam entre os anos 1995 e 2000.  Em 1997, entretanto, Jung Nam saiu, mas o membro Mikey entrou em seu lugar. Em 2015, para o aniversário de vinte anos de debut do grupo e após quinze anos em inatividade, Turbo retornou para os palcos coreanos como um trio com a música Again, sendo também a primeira vez que os três promovem juntos.

Foram uma das maiores estrelas da indústria de entretenimento coreana em seus cinco anos de atividade, vendendo milhões de cópias por toda a Ásia e ganhando diversos prêmios de destaque. Entre suas principais músicas da época, estão Black Cat, Twist King e December.


BoA, com seu debut realizado exatamente no ano 2000, pode não ser um nome dos "90s" como os anteriormente citados, mas ainda faz parte da primeira geração de artistas e, consequentemente, vale reservar um breve espaço para falar sobre ela. A solista da SM deu início a sua carreira musical aos 13 anos de idade e continua em atividade, teve como seu trabalho mais recente a faixa digital No Matter What, lançada em 16 de junho de 2016 em parceria ao rapper Beenzino para o projeto Station.

Apesar de ser conhecida como a rainha do pop coreano, hoje em dia são poucos os k-poppers internacionais que dão o devido reconhecimento à carreira da cantora, apesar de ainda ser bem estável em seu país de origem e, principalmente, no Japão, sendo também a primeira coreana a realizar um debut japonês após a Segunda Guerra Mundial, quebrando as barreiras de restrição de importação/exportação de entretenimento entre os países. Não só isso, em 2008 BoA também estreou nos Estados Unidos com o single Eat You Up.

Recentemente, sua gravadora confirmou que ela está se preparando para um comeback. Ao que tudo indica, trata-se de um mini-álbum que deve ser lançado em fevereiro, anunciado também que já está em fase de ensaio da coreografia e toques finais na produção do álbum. Será seu primeiro comeback oficial em solo coreano desde 2015, quando lançou seu oitavo álbum, Kiss My LipsA rainha está de volta!

Quem queremos?



H.O.T foi um quinteto popular, também da SM, que debutou em 1996 e é creditado como a primeira boyband coreana da geração idol. "High-five Of Teenagers", como também era conhecido, foi uma verdadeira febre entre os adolescentes da época (se tiverem interesse, o dorama Reply 1997 retrata um pouco da história e loucura de uma de suas fã), lembrado principalmente pelas músicas Candy e We are the Future.

Mesmo vendendo um milhão de cópias em tempos de crise financeira na Coreia, o grupo teve seu disband em 2001. O aniversário de 20 anos de grupo já passou e, ao contrário do SES, não ocorreu uma reunião. Durante uma transmissão na rádio KBS Cool FM, o integrante Moon Hee Jun disse que é sempre questionado sobre um possível reencontro, mas que é muito difícil para eles, dando a entender que são poucas as chances disso acontecer.

Por outro lado, Jang Woo Hyuk confessou no programa "I Live Alone" que gostaria que o grupo voltasse, mas que não gostaria que o H.O.T acabasse novamente.  Em 2015, durante um episódio de "1 vs. 100", Tony An disse que está ansioso para uma reunião do grupo e moveria montanhas por isso.

Como um aperitivo, ao menos por enquanto, o máximo que teremos é o H.S.g.R, grupo projeto que reuniu em 2013 membros do H.O.T (Tony e Hee Jun), Sechskies (Ji Won), g.o.d (Danny An) e N.R.G (Chun Myeong Hoon), recriando o MV de "You Can Do It!", do último grupo. A nova faixa, May I Love You, é uma paródia divertida que traz todos os elementos da época.



O quarteto feminino Fin.kl ficou em atividade pela DSP entre 1998 e 2002, quando entraram em um hiatus indefinido e deram início a carreiras solo como cantoras e atrizes. Desde então, o grupo não lançou nada, mas seu disband também não foi oficializado pela gravadora, mesmo que as integrantes já tenham demonstrado em programas de variedades que perderam o contato umas com as outras, mas se emocionam ao falar sobre o passado. As quatro membros são Lee Hyori, Ock Joo-hyun, Lee Jin e Sung Yuri.

Hyori, provavelmente a mais popular delas, deu uma pausa em sua carreira após casar-se em 2015. Fora do cenário musical desde 2013, quando lançou o álbum Monochrome (com Miss Korea e Bad Girls), confirmou em entrevista para a Marie Clare no ano passado que estará voltando a carreira artística em 2017, falando também sobre o seu novo estilo de vida mais tranquilo.  

Já no aguardo para sua carreira solo, mesmo que agora esteja sob a B2M Entertainment, será que seria pedir demais que o quarteto todo voltasse a ativa? Ver Fine Killing Liberty e To My Boyfriend nos palcos novamente seria a realização de um sonho, mas  por enquanto nos contentamos com o cover das novatas Hani, Seolhyun e Tzuyu, respectivamente do EXID, AOA e Twice.


Outros grupos que também fizeram sucesso na época, como Seo Taiji and the Boys, NGR, g.o.d, 1TYM e as garotas da formação original do Baby VOX também seriam muito bem recebidos caso resolvessem voltar a ativa, mas não há nenhuma novidade que acenda a esperança. Quem sabe, com tantos outros nomes da época retornando não bata a vontade de algum desses reaparecer também? É esperar para ver.

Onde eu quero chegar?


Em resumo, esse post foi apenas uma desculpa para eu poder falar sobre os grupos antigos de K-POP, que a cada ano são menos valorizados pelo fandom internacional de música coreana. A geração de artistas que amamos com tanta força atualmente só existe porque houveram grandes nomes antes deles, porque houve uma primeira geração de ídolos que se arriscou em algo completamente novo. Esquecê-los é esquecer a origem do K-POP. 

Ter a mídia em cima de artistas que estão inativos há mais de dez anos é um motivo de grande relevância que, infelizmente, poucos enxergam - apesar de continuarem sendo fielmente aplaudidos em solo coreano. Os próprios cantores de agora demonstram isso ao performarem covers e homenagens, mas o público (especialmente o internacional) parece fechar os olhos frente ao ontem e isso não pode acontecer

2017 já está sendo um ano de grandes retornos conforme citado nesta mesma matéria, mas não podemos virar as costas para eles, temos que apoiar cada vez mais e mais para que outros grupos sintam-se encorajados a entrarem na onda também. Os fãs daquela época já podem ser pais e mães de família, mas engana-se quem pensa que eles ainda não engajam-se ao ouvir os artistas quais apoiavam, basta dar uma olhada na plateia da primeira performance do SES em treze anos. É lindo!


Hoje, são artistas dos anos 90 que estão voltando a ativa, mas pense que daqui há dez, vinte anos nós estaremos presenciando um possível retorno do 2NE1 e de outros grupos mais recentes que já deixaram de existir, além de outros nomes conhecidos atualmente que eventualmente encontrarão seu fim, mas que preferimos deixar nomes em baixo do tapete para não jogar praga. 

Os cantores quais somos fãs hoje, posteriormente estarão na mesma pele que SES e Sechskies, encarando uma reunião e recebendo mais uma vez o amor do público. Você não gostaria que seu ultimate fosse bem recebido, mesmo por uma geração que não é a dele, ao menos por respeito? É disso que estamos falando aqui. Respeito.

Respeito por artistas que continuam a fazer sucesso mesmo estando longe dos palcos há anos, por grupos que conseguiram vender milhões de cópias em uma época sem o alcance mundial que a internet proporciona, apenas com seus seguidores locais. Artistas que viveram tempos muito mais difíceis de se divulgar, mas que ainda sim encararam seus dias de glórias. Artistas que merecem o reconhecimento de todas as gerações e cantos do mundo, que merecem o agradecimento por terem feito parte da história de um estilo musical que hoje faz parte da nossa história.  

Veja também:

8 comentários

  1. Oiiii, que saudaaade de vir aqui (●♡∀♡) vou até dar uma comentada nos posts daqui que passaram e eu não li ainea
    Eu fiquei sumida do blogger mas já voltei, fiz posts novos e mudei o layout para compensar (◡‿◡✿)
    Ameei o post pq eu amo musica dos anos 90 *¬* foi um ano mágico <3 (nós nascemos ahsuahsau), geração 90 é a melhor ♥ e até pq foi a partir dos anos 90 que a cultura asiatica começou a fazer mais sucesso aqui no Brasil quando começou a passar animes na tv aberta
    Os anos 90 foram os MELHORES em relação à boybands e girlfriend, DEFINITIVAMENTE, não só na Coreia mas como no mundo todo
    O post ficou ótimo com fotos, videos, comentários, não faltou nada :)

    Até logo ( ̄ε ̄@)
    http://shyandbrave.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii Bea, tudo bom? Percebi que você deu uma sumida mesmo, hein? Mas fico feliz que tenha voltado, vou aproveitar para dar a passadinha no seu blog e conferir os posts novos e as mudanças, me aguarde. ❤
      Os anos 90 realmente marcou muito o mundo no quesito cultura, tanto no cinema, quanto na música e televisão foi uma década INCRÍVEL!

      Fico muito feliz que tenha gostado do post. Beijinhos! ❤

      Excluir
  2. Anos 90 é algo bem memorável, as roupas e tudo mais mudou heuhe.
    K-POP foi uma boa desculpa pra comentar, merecia mesmo saber disso <3 heue

    http://mundo-mikas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ótimo para comparar o quanto que o estilo mudou em vinte anos, né? Hoje em dia é tudo tão diferente, mas o legal é que continua incrível.
      K-POP sempre é uma boa desculpa. 😂😂
      Beijos!❤

      Excluir
  3. ♫ Geomeun goyangi nero nero nero ♩. Começando o comentário com essa musica chiclete que tanto sou viciada. Sabe por causa do Running Man aprendi a gostar de kpop das antigas, principalmente do Turbo,Sechskies e Shinhwa. Seu post foi muito bom, pois ele nos apresenta bandas antigas que são realmente boas e que merecem mais respeito e admiração da nossa geração. Se tiver a volta do H.O.T vai ser um marco no kpop.

    http://www.meioassimetrica.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa música é ótima, né? Eu comecei a viciar no KPOP antigo após assistir ao dorama Reply 1997, que retrata bem a época e ainda tem uma fã do HOT como protagonista, hilário. Mesmo não tendo vivido a época e estando tão longe da Coreia, não dá para não amar. ❤

      Beijos!

      Excluir
  4. Geeeente, que post MARAVILHOSO!!!
    Eu tinha lido ele quando vc postou mas só tive mais tempo pra comentar agora.
    Eu conhecia a maioria desses grupos, mas ser fã mesmo sou do Shinhwa e da BoA <3
    A galera nova tá precisando conhecer esses grupos mais antigos para verem que a galera da 1ª geração ensinou bastante os grupos que vieram depois e que são tão bom quanto os grupos novos.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que acabei me perdendo um pouco nos lançamentos internacionais da BoA, mas sempre que posso tento dar uma atualizada no que ela anda fazendo. Shinhwa me pegou de surpresa com esse último comeback que foi pra lá de especial, hein? Que presentão para os fãs!
      Os grupos novos são ótimos, mas acho tão essencial conhecer o passado do K-POP. A galerinha precisa abrir os olhos para as gerações antigas, os grupos são maravilhosos demais.

      Beijos!

      Excluir