Thor: Ragnarok é sarcástico, engraçado e uma ótima evolução

by - outubro 26, 2017


O Deus do Trovão está de volta para o seu terceiro filme solo que abre o arco para Os Vingadores: Guerra Infinita que deve chegar aos cinemas no próximo ano. Com 99% de aprovação no Rotten Tomatos, as expectativas estavam altas para conferir as novas aventuras cinematográficas de Thor, mas elas foram superadas.

O lançamento dirigido por Taika Waititi dá continuidade aos acontecimentos finais de Thor: O Mundo Sombrio, em que Loki toma posse de Asgard, disfarçado de Odin e fingindo a própria morte. Surge agora Hela, a Deusa da Morte, que reivindica a posse do trono e exila os irmãos Thor e Loki para um planeta chamado Sakaar.

O enredo gira em torno do filho loiro de Odin tentando retornar a Asgard para derrotar Hela e salvar seu povo e, supondo que todos tenham assistido aos trailers ou visto pelo menos o pôster do filme, já é esperado o retorno de Hulk para as telas, ao lado de seu "colega de trabalho". A participação do grande verde é cômica, poderosa e marcante, mas ainda não tira o foco do protagonista, o que é bom. Funcionam bem como dupla nas lutas, mas se dão ainda melhor como comediantes.


Sim, o famoso e querido "humor Marvel" continua lá, apesar de agora carregar o toque de piadas mais longas que são marca registrada do cineasta neozelandês que comanda a direção deste título. Thor está mais engraçado do que nunca, mas essa liberdade criativa não é tão falha tirando, talvez, que Asgard está sucumbindo em meio a risos e comentários irônicos.

Chris Hemsworth continua sendo um ótimo Thor, entregando seu carisma ao trabalho como se ele e o personagem fossem um só, coisa que admiro em todos os Vingadores do universo cinematográfico atual da Marvel: parece que nasceram para seus respectivos papéis. É praticamente impossível tentar imaginar qualquer outro ator empunhando o Mjölnir - ou, pelo menos, o empunhando com a mesma presença que Hemsworth transparece.

O mesmo equivale ao Loki de Tom Hiddletom, baseado no Deus da Trapaça que, na verdade, é apenas um ser sarcástico, mal compreendido e de cabelo hidratado que faz ótimos comentários de deboche, características praticamente essenciais para torná-lo o personagem preferido de grande parte dos espectadores, ainda que não seja um bom exemplo da bondade em pessoa. 


Continua a resgatar elementos da mitologia nórdica ao inserir as Valquírias na história que, de acordo com a mitologia, são guerreiras que tinham como propósito eleger heróis mortos em batalha e conduzi-los a Odin para tornarem-se seus guerreiros em Ragnarok. A atriz Tessa Thompson fica responsável por esse papel, confessando ter sido vendido a ela como uma espécie de Han Solo da Marvel. Natalie Portman sequer fez falta.

A Hela da versátil atriz Cate Blanchett também convence com sua sensualidade sombria, levemente melancólica e, sobretudo, má - embora com menos destaque que o esperado. Korg e Miek são outros personagens que cativam ao longo da trama, e já foram confirmados por Kevin Feige que estarão presentes em futuros filmes da Marvel, embora o como ainda seja segredo. Aparentemente não há um personagem "fraco demais" neste filme que apresenta, ainda, a evolução de seu protagonista para sua melhor forma já vista nos cinemas.

A trilha sonora me lembra mais Stranger Things do que qualquer outra coisa que eu já tenha visto na Marvel, com aquela pegada filme de terror dos anos 80, porém em uma versão remixada e mais animada, se é que a referência faz algum sentido. Salvo Immigrant Song, de Led Zeppelin, que juraria ouvir em um filme de Guardiões da Galáxias, mas que na verdade só consegue me remeter a cena da revolução das princesas em Shrek Terceiro. O grito da Branca de Neve nunca será esquecido.


Thor finalmente está ganhando o destaque que merecia e o seu novo tom acerta em cheio, deixando o desejo de vê-lo agir com a mesma força e humor novamente, ainda mais após a evolução assumida pelo personagem durante seu processo de aceitação narrado neste seu terceiro longa. Para quem for conferir Thor: Ragnarok no cinema, entretanto, vale o alerta de que há duas cenas pós-créditos, então certifique-se de não deixar a sala antes da hora.

Veja também:

2 comentários

  1. ahhh estou super ansiosa para esse filme! Thor é um dos meus heróis favoritos.

    https://blogmeuoutroeu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir