A Parte que Falta conquista todas as idades com simplicidade subjetiva

by - abril 02, 2018


A Parte que Falta, livro de Shel Silverstain, chegou ao Brasil em 9 de fevereiro com publicação pela Companhia das Letrinhas, selo infantil da Companhia das Letras, e recebeu grande destaque entre os lançamentos do mês, sendo uma das obras mais vendidas, comentadas e aclamadas de fevereiro. Embora o livro seja voltado para o público infantil, quem comprou mesmo essa ideia foram os adultos, conquistados pela capacidade da obra de subjetivar algo tão intrínseco da vida adulta como o sentimento de não completitude.

A narrativa nos apresenta a um ser de forma circular, porém visivelmente incompleto, que inicia sua jornada pelo mundo em busca da parte que lhe falta, de uma forma que seja capaz de se encaixar perfeitamente a ele.


Para as crianças menores, pode ser visto apenas pelo o que explicitamente é, um circulo incompleto que busca a sua partezinha, mas para os adultos a profundidade da obra é muito maior, pois em nossas experiências de vida, muitas vezes nos deparamos com situações em que nós éramos o círculo em busca de alguma parte que nos completasse. Seja a parte representado em um relacionamento, uma amizade, uma profissão ou até mesmo em alguma coisa material.

Pois é normal os seres humanos estarem sempre em busca de algo novo, sempre em busca de mais. Possuímos uma imensa dificuldade em nos contentarmos com o que já somos, com o que já temos, e por sempre darmos continuidade a uma longa jornada em busca de algo que nos complete, não percebemos que, muitas vezes, já estamos completos.


Essa capacidade do livro de conversar com os mais velhos com uma linguagem tão simples e infantil é extremamente admirável e emociona a quem lê, independente de sua idade. Enquanto isso, as crianças talvez possam ter um pouco de dificuldade em entender as entrelinhas, e é interessante que um adulto, seja um familiar ou professor, realize esta leitura com os pequenos e os guie a uma compreensão do verdadeiro significado da obra e assim, talvez, teremos uma futura geração de pessoas mais autossatisfeitas e conscientes.

As ilustrações são um quê a parte na simplicidade e pureza da obra, com traços mais infantilizados que, segundo o estudo das gravuras em obras de literatura infantil, ajuda a criança a se identificar melhor com o livro pois esta se sente equiparada com o ilustrador, de tal modo que optar por desenhos mais despojados e livres podem atrair os jovens leitores tanto quanto traços refinados e realistas, que apesar de belos e bem coloridos, não condizem com o universo artístico de uma criança que se identifica muito mais com rabiscos sem muitos detalhes ou fidelidade ao mundo real.


O que mais colaborou com a manutenção e expansão de sua popularidade em território brasileiro foi o vídeo produzido pela youtuber e escritora Jout Jout, que garantiu o sucesso instantâneo da obra que já se esgotou em várias livrarias on-line e por todo o país, tudo graças a sensibilidade de sua leitura e seu dom de dizer as coisas que nem sabíamos que precisávamos ouvir - ainda mais vindo de um livro que segue pelo menos conceito de seu canal, com ensinamentos involuntários a vontade do leitor/espectador, mas que são muito bem-vindos e captados. 

Veja também:

0 comentários