Escolha do editor

5/random/post-list

Ad Code

Anúncios

4 livros com capas ilustradas por Ing Lee

Capas de livros ilustradas por Ing Lee

Ing Lee, bacharel em Artes Visuais pela Escola de Belas Artes da UFMG, é quadrinista e ilustradora coreano-brasileira. Autora independente desde 2016 e ilustradora freelancer desde 2019, estão entre seus principais trabalhos capas de livros, marcadas pelas cores vibrantes e justaposições que cria intuitivamente — e o resultado é sempre incrível.

Confira algumas capas de livros que foram ilustradas por Ing Lee:

Capas de livros ilustradas por Ing Lee

Amor, Mentiras e Rock & Roll

Sunny Dae é nerd ― e com orgulho. Essa é a fama que ele e seus dois melhores amigos conquistaram na escola, onde curtir RPG definitivamente não é visto com bons olhos. E estava tudo bem, até Sunny conhecer Cirrus Soh, a garota mais descolada e confiante que ele já viu. Quando Cirrus acha que o quarto do irmão de Sunny é na verdade o dele, o garoto não consegue corrigir o engano. Com os olhos dela brilhando ao ver as guitarras e os pôsteres de rock na parede, ele acaba dizendo que tem uma banda ― embora não saiba nem segurar uma guitarra, ops.

Agora sua única esperança para sustentar a história e conquistar Cirrus é fazer com que seus amigos nerds topem participar de seu plano maluco de tornar essa banda realidade, vestindo as roupas que o irmão mais velho deixou para trás quando se mudou para Hollywood e ensaiando na sala de música da escola. O problema é que logo Sunny descobre que a vida de um rockstar mentiroso não é só fama e glória…

Onde comprar: Amazon

Capas de livros ilustradas por Ing Lee

Castella

Tido como um dos mais inovadores expoentes da literatura coreana moderna, Park Min-Gyu espanta os leitores com sua escrita criativa, cheia de elementos fantásticos. Com uma linguagem coloquial e, ao mesmo tempo, literária, o caráter lúdico de sua escrita, misturado com uma boa dose de cinismo e ironia, presenteia os leitores de Castella com contos que revelam as idiossincrasias e a desigualdade social na Coreia do Sul, mas que transcendem o espaço físico da península, reverberando até nossas encostas tropicais brasileiras.

Onde comprar: Amazon

Capas de livros ilustradas por Ing Lee

Sozinha

Rosa tem 15 anos e está naquela fase intensa da adolescência, cheia de impulsos rebeldes, certezas absolutas e desejos inconfessáveis. Ou nem tão inconfessáveis assim, já que em uma das muitas brigas que tem com Julieta, sua mãe excessivamente presente, um pensamento reprimido escapa: “Acho que a minha vida seria muito mais fácil se você morresse de uma vez”.

Até aí, normal. Provavelmente nove entre dez meninas que estão nesse momento de construir a própria identidade e de se libertar das expectativas familiares já desejaram a morte da mãe pelo menos uma vez na vida. A história explica e a psicanálise também. Então, com o tempo, as brigas diminuem e a relação se transforma.

Mas, para Rosa, o impensável acontece: logo após o último conflito com a mãe, logo após Rosa desejar sua morte, Julieta sofre um aneurisma fatal. Agora, a jovem terá que atravessar uma das fases mais complexas da vida sem a mãe, sua maior referência.

Onde comprar: Amazon

Capas de livros ilustradas por Ing Lee

Aos Prantos no Mercado

Não é preciso conhecer nada de gastronomia para saber que a comida é uma das bases de nossa educação sentimental. Os ingredientes, os modos de preparo, a combinação de aromas, cores e sabores com as quais aprendemos a nos familiarizar compõem o repertório íntimo de cada um de nós. E é justamente esse poder de mobilizar o afeto que é evocado desde o primeiro parágrafo de Aos prantos no mercado. Nele, vemos a protagonista, que atravessa o luto pela morte precoce da mãe, liberando o pranto represado ao percorrer as prateleiras do mercado coreano H Mart em Nova York. 

Originalmente publicadas na revista The New Yorker com o mesmo título, essas páginas tiveram um enorme sucesso e acabaram se tornando o capítulo de abertura do primeiro livro da cantora de rock independente Michelle Zauner, um best-seller do New York Times que também entrou para a lista de melhores de 2021 do presidente Barack Obama. Enquanto a saudade da mãe coloca em perspectiva as antigas rebeliões da adolescência e atenua o rigor do julgamento das escolhas feitas pelos pais, a comida representa uma espécie de tábua de salvação na qual Zauner navega os descaminhos dos últimos e dolorosos momentos da mãe. 

Nessas memórias, a autora relembra a culinária afetiva a fim de não se perder de si ao atravessar o luto. Ela passa horas assistindo aos vídeos de uma youtuber, compenetrada em reproduzir a alquimia das receitas coreanas. Isso atenua a angústia íntima de que seus traços caucasianos vão apagar a origem coreana, antes legitimada pela existência da mãe. E entre os expedientes da vida adulta, a protagonista descobre que o luto, a festa e a criação artística podem conviver intimamente na difícil tarefa de encontrar um lugar no mundo. 

Estreia literária da cantora, Aos prantos no mercado nos inunda de sensibilidade ao reconstruir a dimensão afetiva dos pequenos atos cotidianos, e supre a distância entre o paladar brasileiro e o coreano ao aguçar a curiosidade de conhecer esses sabores. O livro também pondera consensos e dissensos reconstruídos à luz da experiência limite do luto, ressignificando os traumas da infância e convocando a uma nova responsabilidade sobre as escolhas da vida adulta.

Onde comprar: Amazon

Postar um comentário

0 Comentários

Anúncios 2

Ad Code