Swing Kids, a arte da resistência

by - janeiro 11, 2020


Lançado em 19 de dezembro de 2018, Swing Kids é um filme sul-coreano dirigido por Kang Hyun Chul, o mesmo de Sunny (2011) e Tazza: Uma Cartada Mortal (2014). Caminhante entre os gêneros drama e guerra, o longa conta ainda com um toque musical que encanta os olhos e ouvidos dos espectadores.

Na história, os prisioneiros de um acampamento de guerra em Geoje tem suas vidas mudadas com a chegada de Jackson, um soldado afro-americano que costumava ser dançarino na Broadway. Roh Kisoo é um soldado norte-coreano que defende a bandeira do comunismo, mas a descoberta do amor e talento para o sapateado colocarão seu pensamento ideológico em risco, tal como sua vida. 


Ambientado em meio à guerra coreana, onde soldados americanos são ativos, o filme é apresentado em uma mistura de inglês e coreano que dá ainda mais valor à narrativa, na qual muitas vezes os pés se expressam melhor que os lábios. E é por meio dessa expressividade corporal e musical que Swing Kids apresenta a arte da resistência

Inspirado na vida real, o território de confronto é constantemente vigiado por soldados e todos os presos precisam seguir as regras a risca. Não há um lado certo ou errado para se estar: ao se aliar aos capitalistas, seja por medo, para proteger sua família ou pelo amor a dança, você está traindo o seu povo coreano, mas se identificar como comunista e lutar pela causa também o coloca na mira dos soldados americanos. 


Enquanto muitos se decidem se estão do lado do comunismo ou do capitalismo, outros estão mais interessados na liberdade momentânea que uma dança pode oferecer, ainda que mesmo esta venha acompanhada do risco de vida — ou no caso, de morte. A sensação de ser livre enquanto sapateia é a mais pura expressão de amor a vida que os personagens de Swing Kids poderiam nos mostrar. Apaixonar-se pela arte é um perigo que vale a pena.

Há um breve momento de debate racial e de gênero presente na narrativa, quando Jackson e Yang Panrae disputam verbalmente sobre quem leva a vida mais difícil em um território de guerra: mulheres ou negros. Mas não é uma competição de privilégios e desvantagens. Não importa quando ambos estão do mesmo lado — o dos oprimidos. "F*da-se a ideologia". 


O elenco eleva ainda mais a qualidade da produção. Do Kyungsoo já se provou um excelente cantor como parte do grupo de k-pop EXO, mas a cada novo projeto como ator conquista ainda mais fãs com sua versatilidade. Um verdadeiro e talentoso artista que está sempre disposto a se reinventar, servindo às artes com honestidade e graça.

A equipe de dança fica completa com Park Hyesoo (Age of Youth), Kim Minho (Money Flower), Oh Jungse (Para Sempre Camélia) e Jared Grimes (Filha das Sombras). Exceto por Ross Kettle (After the Rain), o lado dos americanos não possui muitos nomes conhecidos, mas todos são igualmente dedicados a uma boa atuação. 


Além dos astros e da boa música, o filme fica completo com um incrível e delicado trabalho em sua fotografia, que busca a riqueza de detalhes que possam transformar um ambiente tenebroso em um lugar onde se é possível sonhar e viver a beleza da paixão pela arte. Quando os sapatos de dança são colocados, o piso de madeira é riscado ou os figurinos especiais marcam a caracterização dos personagens, sabemos que a resistência vive.

Yang Panrae é a mais pura personificação desta ambição, sendo a única protagonista que ousa em vestimentas coloridas, roubando visualmente a cena enquanto, a termos psicológicos, conquista com sua personalidade igualmente policromática. Yang transforma suas limitações em força, e arrisco dizer que é a personagem mais brilhante de todo o longa.


Divertido, emocionante e sobretudo crítico, Swing Kids é um excelente filme sobre guerra, música e resiliência, reforçando o debate de que arte é muito mais que mero entretenimento: arte é política, arte é resistência. Dance como se sua vida dependesse disso, pois depende.

Infelizmente o filme não está disponível em plataformas de streaming do Brasil, mas pode ser encontrado com legendas em português no Movie Asian Fansub, em parceria com a fanbase D.O. Brasil. Essa obra de arte merece ser assistida!


Veja também:

1 comentários