Snowdrop: drama de Jisoo e Haein está sendo boicotado na Coreia

by - 27 março

Snowdrop: drama de Jisoo e Haein está sendo boicotado na Coreia

Após o cancelamento de Joseon Exorcist, da emissora SBS, o público sul-coreano começa a gritar pelo cancelamento de Snowdrop, próximo drama da JTBC que sequer estreou ainda. O motivo de tudo isso é que, segundo os netizens, o enredo do k-drama estrelado por Jisoo (BLACKPINK) e Jung Haein (Something In The Rain) parece tirar sarro da história da Coreia do Sul.

Segundo a sinopse oficial, "A história começa quando o jovem Lim Sooho (Jung Haein), coberto de sangue, invade um dormitório em uma universidade feminina. Uma jovem estudante de enfermagem, Eun Youngcho (Jisoo, do BLACKPINK), acolhe o ferido e o esconde das autoridades, acreditando que ele é um estudante protestante. Os dois se apaixonam, mas conforme a história avança, ela descobre que ele é na verdadade um espião treinado da "pátria" (a sinopse não especifica qual "pátria" a que se referem). O espião é então obrigado a matar a mulher que o escondeu das autoridades."

Especula-se que o sobrenome Lim e o nome Youngcho são baseados em personagens da vida real, estudantes universitários que protestavam no ano de 1987 a favor de eleições democráticas justas, mas foram oprimidos pelos NIS (Serviço de Inteligência Nacional), então controlado pelo ditador que estava no poder, segundo este artigo no Meaww. No entanto, essa informação é apenas um rumor, segundo a JTBC. 

Na vida real, durante esse protestos, muitos estudantes perderam a vida e outros tantos foram capturados, torturados e até mesmo mortos pelo NIS, que os chamavam de espiões. Sabendo desse momento histórico e extrema relevância política da Coreia do Sul, internautas ficaram insatisfeitos com o enredo, que parece romantizar as lutas estudantis da Coreia do Sul e a possibilidade de um segundo personagem masculino ser um membro do NIS. 

Com isso, os últimos dias foram marcados por protestos na internet coreana, com parte do público pedindo pelo cancelamento de Snowdrop antes mesmo de sua estreia, temendo principalmente que fãs internacionais do BLACKPINK tenham uma ideia errada sobre a história da Coreia. Muitas cartas foram enviadas à sede da JTBC e à produtora do k-drama para impedir que ele não seja exibido.

Fãs internacionais, entretanto, se manifestaram contra o cancelamento. Em um dos relatos, ressaltam a ironia do assunto: "Banir a ficção é um dos primeiros sinais de autoritarismo. Estranho que eles estejam fazendo isso para preservar a democracia que foi tão disputada.", comenta um internauta internacional. 

Yoo Hyun-mi, roteirista da trama, era estudante universitária quando esses protestos aconteceram na Coreia do Sul. Ela é principalmente conhecida por seu trabalho com Sky Castle, que é um dos maiores sucessos da televisão coreana e vinha sendo altamente elogiada pelo público até então. 

Ela ainda não se pronunciou sobre o polêmico boicote, mas a emissora JTBC emitiu uma nota neste sábado, 27 de março: 

Aqui está a declaração oficial da JTBC sobre a controvérsia a respeito do k-drama ‘Snowdrop’.

‘Snowdrop’ não é um programa que romantiza ou abraça os espiões durante o Movimento Democrático Sul-Coreano.

‘Snowdrop’ é uma comédia satírica sobre as eleições presidenciais, ocorridas na década de 1980 durante um regime militar. É também um melodrama sobre os sacrifícios dos rapazes e moças durante esse período.

As partes incompletas da sinopse que tem circulado online vazaram e foram interpretadas fora de contexto. Isso resultou em uma onda de críticas, mas estas são baseadas em especulações.

As acusações sobre o enredo retratando "espiões norte-coreanos como os que lideram o Movimento Democrático", "o personagem sendo baseado em uma pessoa real que liderou o movimento estudantil" e "a série está abraçando e romantizando o autoritarismo" são todas diferentes do real enredo de 'Snowdrop'. Essas opiniões estão longe do que a produção realmente planejou.

A JTBC deseja reiterar firmemente que as alegações em torno de 'Snowdrop' não estão alinhadas com os planos da produção. Além disso, pedimos que você não faça mais críticas imprudentes sobre um programa que ainda não foi lançado.
Muitos internautas coreanos não gostaram do depoimento da emissora, afirmando que tratar um movimento recente e importante para a democracia como "comédia satírica" não é conveniente. Em debate com fãs internacionais, que defendem o lançamento do drama, muitos coreanos recomendaram o filme 1987 como uma pequena aula para que o público internacional entenda a história da Coreia do Sul e o motivo por trás do pedido de cancelamento feito pelos cidadãos coreanos. 

Lançado em 2017, o thriller político dirigido por Jang Joonhwan e escrito por Kim Kyungchan se baseia na história real do Movimento Democrático que aconteceu em junho de 1987 no país, "desencadeado pela morte de um estudante protestante durante um interrogatório policial que as autoridades conspiram para encobrir", segundo a Wikipédia.

Apesar dos pedidos dos coreanos, a JTBC se mantém firme em sua intenção de produzir e exibir o drama conforme o inicialmente planejado, pois julga como incorretas as interpretações feitas pelo público antes mesmo da estreia do projeto.

Outro relatório publicado pelo Sports Kyunghyang revela que o drama não aceitará publicidade de marcas: por se tratar de um projeto de época, não serão feitas divulgações de produtos dentro do enredo, como as idas dos personagens ao Subway, por exemplo. Isso se dá logo após grandes marcas coreanas começarem a retirar seu patrocínio devido às controvérsias envolvendo Snowdrop

Se tudo seguir conforme o cronograma da JTBC, o drama é esperado para ter sua estreia em junho de 2021.

Veja também:

0 comentários