Jessica Jung fala sobre Shine, sequência, adaptação e mais em entrevista à Time

by - 24 setembro

Jessica Jung fala sobre Shine, sequência, adaptação e mais em entrevista à Time

Na contagem regressiva para o lançamento de Shine, primeiro livro escrito pela cantora e empresária Jessica Jung, a artista cedeu uma longa entrevista para a revista Time na qual fala sobre a obra, sua sequência, a adaptação em filme, o universo do k-pop e muito mais.

Confira a tradução completa, feita pelo Elfo Livre:

TIME: Por que você decidiu escrever Shine?

Jessica Jung: Eu estive nesta indústria por mais de 10 anos; este ano foi meu 13º aniversário. Comecei muito jovem, tive muitas oportunidades de viajar pelo mundo e sempre pensei que tinha uma história para contar. Tive muito drama, muita competição, rapazes - tudo o que eu queria contar ao mundo.

Existe um motivo pelo qual você escolheu definir o livro durante o período de pré-estreia, quando Rachel é uma trainee?

Há muitas informações por aí sobre como é ser uma estrela do K-pop, mas poucas pessoas sabem sobre os bastidores do que é preciso para se tornar uma estrela do K-pop e o que você passa para ter a chance de estrear. Eu realmente queria compartilhar isso.

A história é contada através da perspectiva de Rachel. De que forma você acha que sua voz é semelhante à de Rachel e de que forma é diferente?

Rachel é um reflexo de mim, é claro, porque este romance é inspirado na minha própria vida. Mas tentei tornar tudo ficcional. Ela nasceu em Nova York, eu nasci em San Francisco, por exemplo. Nunca quis escrever uma autobiografia ou uma história para contar tudo. Eu queria fazer um bom entretenimento.

No livro, a DB Entertainment tem muitas regras rígidas para seus trainees, como sem namoro e nenhuma rede social. “Os trainees não postam e nem são postados, nunca”, diz Rachel. Quanto disso foi baseado em sua experiência?

Tudo isso foi baseado na minha experiência. Sim, existem muitas regras e muitas coisas que as pessoas podem não entender, mas foi isso que tivemos que passar. Sem celulares, sem SNS [serviço de rede social, o principal termo usado para se referir à mídia social na Coreia do Sul], sem mensagens de texto - apenas ensaios. Mas é por isso que fomos capazes de nos concentrar e chegar onde estamos.

As regras mudaram com o tempo?

As regras de sem namoro, sem celular, sempre tem que estar de dieta, sem mensagens de texto - tudo isso ainda existe. Conversando com meus amigos da indústria agora, nada mudou.

Você era muito jovem durante seus anos como trainee. Como você olha para trás, para aquela época da sua vida e como ela te moldou?

Olhando para os meus anos de trainee, estou realmente muito orgulhosa de mim mesma. Quando criança, você pode querer sair e brincar com seus amigos, ir ao cinema, dormir uma noite fora. Mas eu não fui capaz de fazer isso e exigia muita autodisciplina e paciência.

Você dedica o livro em parte a sua irmã Krystal, que você escreve ser “a luz mais brilhante” em sua vida. Você poderia falar sobre o papel que ela desempenhou em seus anos de trainee?

Não apenas nos meus anos de trainee, mas ao longo dos anos, mesmo até agora, minha irmã Krystal tem sido minha maior apoiadora, e nós apoiamos uma a outra, não importa o que aconteça. Pode ser difícil encontrar amigos verdadeiros nesse ramo. É realmente uma bênção ter uma irmã mais nova com quem sempre posso conversar e me apoiar.

Jessica Jung fala sobre Shine, sequência, adaptação e mais em entrevista à Time

Voltando ao que você disse sobre incorporar suas próprias experiências, você poderia compartilhar se alguns personagens foram mais baseados em pessoas reais do que outros?

Leah é definitivamente um reflexo da minha irmã mais nova, e minha irmã escolheu o próprio nome, a propósito. Ela estava tipo, “Eu quero ser Leah”. E eu realmente queria retratar nosso relacionamento no livro com precisão, então espero que os leitores gostem disso.

Tenho certeza que os leitores também ficarão curiosos se Jason Lee - o galã do DB que é membro do novo grupo mais quente - é baseado em uma pessoa real?

Jason pode ou não ser baseado em uma pessoa real. Mas isso depende da imaginação do leitor.

Ao longo do livro, Rachel fala sobre como o K-pop a fez se sentir orgulhosa de ser coreana. Como foi sua relação com o K-pop enquanto crescia?

Foi tudo na minha infância, foi e ainda é a minha vida.

Foi uma grande parte da sua vida antes de se tornar um trainee?

Na verdade não. Antes de ser trainee, eu era apenas uma criança normal. Eu gostava de K-pop, mas era apenas uma criança normal que ia para a escola, fazia o dever de casa, tinha aulas de piano, ia para aulas de balé e nunca realmente me imaginei como uma estrela do K-pop.

Você acha que o público em geral, seja na Coreia ou globalmente, tem ideias erradas sobre os ídolos do K-pop?

O público em geral acha que os ídolos do K-pop são perfeitos - ou que sua coreografia é perfeita, seus vocais são perfeitos, tudo é perfeito. Mas você sabe, tudo vem com tanto esforço. Eu só queria que as pessoas realmente reconhecessem seus esforços e seu trabalho árduo.

O que você acha do quão longe o K-pop avançou nos últimos anos?

BTS, Blackpink - eles estão na Billboard, fazendo muitas colaborações e na TV ocidental, é muito emocionante ver e assistir. Quando eu viajo pelo mundo, as pessoas realmente reconhecem o K-pop e me reconhecem também. Quando debutei na Coreia, pensei que a Coreia era meu único território e [o coreano seria] o único idioma que falaria enquanto trabalhasse. Mas agora você viaja pelo mundo todo, conhece muitas pessoas diferentes de países diferentes.

Ao longo do livro, você usa termos coreanos de palavras que fazem referência a membros da família e nomes de alimentos. Por que você decidiu incorporar a língua coreana ao texto?

Achei que seria divertido se as pessoas não conhecessem a palavra, mas procurassem e aprendessem coreano. Porque quando leio ou vejo filmes em idiomas diferentes, é o que costumo fazer, e é assim que fico interessada e motivada para aprender o idioma. Espero que meus leitores aprendam um pouco de coreano.

Shine é parte de um acordo de dois livros. Você poderia compartilhar atualizações sobre a sequência ou o processo de redação?

Estamos desenvolvendo o segundo livro agora. Há muito mais na jornada de Rachel. Eu sinto que Shine terminou no momento certo, e então o segundo livro é mais quando ela tem muito sucesso na vida e os bastidores de quando ela é na verdade uma estrela do K-pop.

Há planos de adaptação do Shine para as telas. Quais são suas esperanças para o elenco?

É apenas meu desejo, mas acho que seria divertido se minha irmã mais nova, Krystal, realmente estrelasse como Rachel porque ela sabe muito sobre Rachel. Eu acho que ela seria incrível.

Veja também:

0 comentários