Joseon Exorcist é cancelado após polêmicas, entenda o que aconteceu

by - 25 março

Joseon Exorcist é cancelado pela SBS após polêmicas, entenda o que rolou

O drama Joseon Exorcist, que estreou no dia 22 de março pela emissora sul-coreana SBS, foi cancelado poucos dias após a sua estreia após uma série de polêmicas. Entenda, logo abaixo, o que aconteceu com o k-drama: 

Excesso de Sangue

Dramas coreanos, em geral, não são tão sangrentos quanto as séries ocidentais. Esse tipo de produção é bem raro na televisão coreana, já que prezam por um "conteúdo família" que possa ser apreciado por todas as idades.

Kingdom, por exemplo, acabou sendo lançado na Netflix justamente para não ter de se render às censuras. Afinal, para um drama que mistura ação, fantasia e terror, o gore é inevitável. Mesmo ciente disso, Joseon Exorcist tentou a sorte ao entrar logo em uma das emissoras mais tradicionais e populares do país, a SBS. O público, entretanto, não aprovou a ideia. Mas esse é só o menor de seus problemas.

Joseon Exorcist é cancelado pela SBS após polêmicas, entenda o que rolou

Distorção Histórica

Dentre os inúmeros gêneros abordados do drama, a ficção histórica é o principal. Como o nome do projeto já sugere, sua história se ambienta no período da dinastia Joseon, verdadeiro, para contar a história de um exorcista, fictício. Personagens históricos reais foram utilizados dentro deste roteiro, tendo algumas de suas características distorcidas por fins de entretenimento, para melhor servir a um drama de fantasia e terror.

No entanto, o drama recebeu duras críticas negativas, acusado de ser irresponsável ao tratar a história da Coreia do Sul de forma tão leviana. Os produtores tentam se explicar, em nota:

"Embora este drama tenha emprestado figuras e cenários históricos, é um drama histórico misturado à fantasia que começou com um pensamento imaginário: "E se espíritos malignos surgirem e entrarem nas ambições dos humanos durante o caos dos primeiros dias de Joseon?". Planejamos desenhar as histórias de como Taejong, Príncipe Chungnyeong e Príncipe Yangnyeong superam crises e correm em direção a seus objetivos.

Embora tentássemos expressar a realidade do medo com figuras históricas reais e focar em elementos de fantasia imaginários, esquecemos que poderíamos causar grande comoção durante esse período sério. Baixamos nossas cabeças em desculpas por causar decepção aos telespectadores devido às imperfeições da equipe de produção, quando deveríamos ter nos preparado com um forte senso de responsabilidade, pois é um drama lidando com figuras históricas reais.

Aceitamos humildemente as opiniões dos telespectadores em relação a esta questão e, a partir da próxima transmissão do episódio 3, mudaremos completamente os papéis em personagens fictícios adequados para o gênero de ficção fantástica e também editaremos ou refilmaremos partes potencialmente problemáticas assim que possível.

No futuro, teremos um senso de responsabilidade mais estrito na produção do drama e faremos o possível para não causar danos aos atores e à equipe que participam do drama."

Elementos Chineses

Alguns dramas recentes sofreram repressão do público por aceitar patrocínio de marcas chinesas em troca de exibição de seus produtos, como True Beauty e Vincenzo. No entanto, as críticas foram ainda mais pesadas para Joseon Exorcist, que tem sua verba de origens 100% nacionais e mesmo assim inseriu uma série de elementos chineses na trama.

Joseon Exorcist é cancelado pela SBS após polêmicas, entenda o que rolou

Por exemplo, a culinária presente na companhia do Príncipe Chungnyung exibe pratos como bolo lunar, ovo centenário e bao, o pãozinho chinês. Em represálias, o professor Seo Kyung Duk, da Sungshin Women’s University, destaca em uma publicação no Instagram:

"O drama Joseon Exorcist deixou um impacto duradouro com sua controvérsia de distorção da história. Internautas chineses já começaram a apoiar cenas do drama dizendo que a série retratava bem uma cultura típica coreana no Weibo.

Recentemente, a China tem feito alegações infundadas dizendo que Hanbok, Kimchi, Pansori, etc. são parte de sua cultura. E a rede apenas alimentou ainda mais essas afirmações distorcidas. A equipe de produção deveria ter sido mais cautelosa, pois estava bem ciente da situação atual, afirmando 'esses tempos delicados' em seu depoimento.

Como todos sabem, a série dramática coreana tem muitos espectadores em todo o mundo. Limitamos o tempo para informar o mundo sobre nossa cultura, quanto mais sobre a distorcida história coreana.

Temos que proteger nossa própria cultura e história."

 Com as críticas, uma nota havia sido lançada pela equipe de produção de Joseon Exorcist, justificando:

"Definimos o local como o condado de Uiju (fronteira da dinastia Ming) para enfatizar que o príncipe Chungnyeong teve que viajar uma longa distância até a fronteira chinesa no lugar do príncipe herdeiro para trazer de volta o exorcista ocidental, e adicionamos legendas para isso.

Era um local em que o grupo do exorcista ocidental poderia descansar depois de viajar pela Dinastia Ming e prestes a entrar em Joseon. Por se tratar de uma região próxima à fronteira com a Dinastia Ming, preparamos os adereços pensando que haveria tráfico frequente de chineses.

Essa foi uma configuração para explicar a localização desses personagens que estavam em uma área remota longe de Hanyang (Seul) na história, e não havia nenhuma intenção especial por trás disso.

Lamentamos por causar desconforto durante a exibição de uma cena que poderia ser mal interpretada durante esse período delicado. Estaremos atentos à produção em futuras transmissões."
O motivo de toda essa intriga é histórico, com uma ainda existente disputa entre a Coreia e a China. Dentre vários motivos que alimentam essa disputa entre os dois países, foi destacado recentemente a raiva dos coreanos após afirmações chinesas de que o hanbok (traje tradicional coreano), o kimchi (prato fermentado que é a base da alimentação coreana), o taekwondo e a bandeira sul-coreana têm raízes na cultura chinesa, como lido no relato do professor acima.

Joseon Exorcist é cancelado após polêmicas, entenda o que aconteceu

A equipe de produção de Joseon Exorcist até havia lançado uma nova nota afirmando que novos episódios não seriam exibidos enquanto trabalhavam na edição do drama, a fim de remover essas cenas que causaram alvoroço. Entretanto, sua tentativa de consertar as coisas foi em vão. 

Perda de Patrocínio

Com todas essas coisas acontecendo e a imagem do drama cada vez mais manchada entre os espectadores coreanos, mais de 20 marcas coreanas retiraram o seu apoio pois não queriam ter seus nomes vinculados a um projeto tão mal aceito pelo público. Dentre elas, podemos citar as mundialmente conhecidas Samsung e LG Lifestyle and Health, além da KT Telecom, ACE Bed e muitas outras. 

Cancelamento de Joseon Exorcist

Embora o público internacional tenha gostado da história, ficava difícil para um k-drama dar continuidade ao seu lançamento sem o apoio da audiência coreana e do patrocínio, principalmente para um projeto de alto orçamento como esse. Seu cancelamento era inevitável.

Neste dia 25 de março, uma nota foi divulgada para informar: "Joseon Exorcist será, por fim, cancelado. Depois que o conteúdo relacionado ao episódio 2 for lançado, os espectadores não poderão ver o resto. O produtor Shin Kyung Soo está atualmente em contato com os atores do drama para notificá-los do cancelamento." 

Joseon Exorcist é cancelado pela SBS após polêmicas, entenda o que rolou

Desta forma, novos episódios de Joseon Exorcist não mais serão lançados e o público não descobrirá como termina essa história. No Twitter, fãs internacionais usam a hashtag #SAVEJOSEONEXORCIST na tentativa de salvar o drama do cancelamento. No entanto, esse resgate é pouco provável, dada a falta de apoio em seu país de origem, tanto dos espectadores quanto das marcas patrocinadoras. 

Talvez a Netflix pudesse salvar o drama, dado o sucesso de Kingdom da plataforma de streaming, que tem uma pegada bastante semelhante a Joseon Exorcist. Entretanto, o risco é muito alto frente a todas essas polêmicas levantadas, tornando portanto bem difícil que alguma empresa/produtora queira assumir tamanha responsabilidade em um cenário passível de tantas críticas como esse. 

Veja também:

0 comentários